quarta-feira, 28 de junho de 2017

Fundação Telefônica e Educação do RN têm parceria no projeto Inova Escola

Inova Escola capacita professores no RN
O projeto Inova Escola, feito pela parceria da Secretaria da Educação do RN com a Fundação Telefônica Vivo, está realizando formação continuada para educadores e gestores em todas as regiões do Estado. Nesta segunda-feira (26) e na terça (27) acontece a Formação Continuada no módulo introdutório para gestores e educadores de escolas jurisdicionadas a 2ª Diretoria Regional de Educação e Cultura (2ª Direc), compreendendo municípios da Região Metropolitana e do Agreste. A Formação ocorre no auditório da Escola Estadual Presidente Roosevelt, em Parnamirim. Os participantes do evento estão sendo capacitados para atuarem como multiplicadores em suas escolas.

O projeto Inova Escola é uma iniciativa que visa promover formação de educadores, de forma on-line e presencial, e plataformas de melhorias na gestão escolar. O projeto leva aos municípios conteúdos sobre novas formas de aprendizagem e uso de recursos tecnológicos como aliados nesse processo.

O Inova Escola trabalha seis eixos dentro da perspectiva de estimular o desenvolvimento de projetos e práticas de inovação educativa no ambiente escolar com reflexos na sociedade: personalização; projeto de vida; papel do professor; recursos tecnológicos; espaços diferenciados; e gestão inovadora. “A receptividade está sendo muito boa e temos observado a grande participação de educadores de todas as regiões. Os professores são ávidos para aprender e mesmo estando em período de recesso, participam da formação mostrando comprometimento com a Educação”, afirma o professor João Maria de Lima, coordenador da formação.

“O projeto está utilizando uma metodologia interessante que motiva o pessoal a interagir. As escolas estão precisando muito de motivação. Esses momentos de formação são ricos e contribuem também para animar os educadores”, afirma a pedagoga Edjane Pinheiro, participante da formação na Escola Estadual Presidente Roosevelt.

No total, 199 escolas do Estado serão contempladas pelo Inova Escola. Entre elas, escolas de ensino fundamental – incluindo as que têm ensino em tempo integral -, ensino médio e algumas com Educação de Jovens e Adultos (EJA). De acordo com a coordenadora dos Órgãos Regionais de Educação, Rosângela de Oliveira, o Inova Escola está formando 920 pessoas, entre gestores, coordenadores pedagógicos, professores e funcionários do Conselho Escolar.

DIRECS

A formação promovida pela SEEC em parceria com a Telefônica Vivo já chegou a escolas de 11 Direcs reunindo educadores de várias regiões do Estado nos municípios de Umarizal, Pau dos Ferros, Apodi, Mossoró, Assu, Caicó, Currais Novos, Natal e Parnamirim. As atividades nas demais Direcs acontecerão a partir do dia 11 de julho, ao término do recesso escolar. A parceria também é destinada às escolas da rede municipal de ensino. O processo nos municípios está em fase de inscrições e deve ser iniciada no próximo semestre.

METODOLOGIA
Os conteúdos são desenvolvidos a partir de uma estrutura de oficinas presenciais que permitem aos participantes a compreensão dos temas como repensar o papel do professor; gestão inovadora, tendo em vista que os profissionais da escola não são os únicos responsáveis pela aprendizagem dos jovens.

Outro tema abordado pelo Inova Escola é a personalização, levando em consideração que cada estudante é único e merece a chance de traçar o próprio caminho de aprendizagem. Os espaços diferenciados também são abordados nessas oficinas, tendo em vista que sala de aula não precisa estar organizada ao redor do professor, mas ser repensada de forma a facilitar a aprendizagem.

O projeto de vida de cada aluno também é tema fundamental na formação dos educadores. De acordo com os organizadores do projeto, o estudante deve ter espaço e apoio para dedicar-se aos seus interesses e objetivos de vida. A tecnologia já é parte da realidade dos alunos. Dessa forma, o Inova Escola tem o papel de trazê-la como aliada e ferramenta para a aprendizagem.

sábado, 24 de junho de 2017

Gestores da Educação discutem em São Paulo as reformas no Ensino Médio

Secretária Cláudia Santa Rosa fala no Seminário 
A reforma do ensino médio e sua implementação foram temas centrais da discussão realizada pelo Instituto Unibanco nos últimos dias 21 e 22 deste mês em São Paulo (SP). O Seminário Internacional Desafios Curriculares do Ensino Médio: implementação e flexibilização levou representantes de instituições públicas, iniciativa privada, Sistema S, organizações internacionais e jovens a discutir qual é o caminho para o novo ensino médio proposto pelo Ministério da Educação e como ele deverá se comportar diante a educação profissional.

“Tenho a percepção de que temos um enorme atraso na educação, mas também um grau de preocupação crescente sobre o estado do nosso Ensino Médio”, observou o vice-presidente do Conselho de Administração do Instituto Unibanco e ex-ministro da Fazenda, Pedro Malan, na abertura do encontro. “É mais que oportuna à discussão sobre os desafios curriculares”, disse.

Durante os dois dias de discussão, o seminário fez um longo panorama sobre como as redes estaduais estão se preparando para a reestruturação do Ensino Médio, as experiências internacionais de reorganização dessa etapa e qual o papel da educação técnica e profissional dentro da nova proposta.

Pelo RN, a secretária estadual de Educação, professora Cláudia Santa Rosa, destacou, durante sua participação no seminário, que as mudanças propostas para o Ensino Médio deverão ocorrer de forma plural: “A reestruturação dessa modalidade de ensino demanda capacidade dos gestores das regionais e das escolas dominarem o debate pedagógico e administrar os desafios de gerir a equipe e o currículo”, destacou a secretária.

A questão da formação inicial e continuada de professores foi apontada como um dos principais desafios para flexibilização, pois prevê a organização curricular por áreas do conhecimento e demanda, assim, que os docentes sejam preparados para uma nova forma de ensinar. “Não consigo pensar em reestruturação de currículo sem pensar na formação continuada”, afirmou o professor Bruno Barreto, da rede pública do Rio de Janeiro (RJ).

quinta-feira, 15 de junho de 2017

Escola pública de Florânia realiza oficinas de xilogravura e literatura de cordel

"Teônia Amaral" avança na prática do ensino
Por Jorge Ivan Barbosa

A Escola Estadual Teônia Amaral, localizada no município de Florânia, região do Seridó do RN, está realizando durante todo o mês de junho oficinas de Literatura com a coordenação dos poetas Joelson Araújo e Domingos Toscano, e a participação efetiva dos estudantes. A ação visa a valorização da literatura de cordel junto à comunidade escolar.

A Escola também realizou uma oficina de orientação e produção de xilogravura com participação de 30 alunos. Na oficina, coordenada pelo xilogravurista Jefferson Campos, os estudantes aprenderam técnicas de como uso de celular ajuda na produção da xilogravura , o que representa, na prática, uma tecnologia de milênios sendo auxiliada por uma tecnologia do século XXI. O trabalho foi orientado pelo xilogravurista Jefferson Campo que orientou a produção de xilogravura.

A xilogravura é provavelmente de origem chinesa, sendo conhecida desde o século VI. No ocidente ela se firma durante a Idade Média. No Nordeste brasileiro vem a ser aperfeiçoada e formar dupla com a literatura de cordel.

sábado, 27 de maio de 2017

Macaíba: Secretaria Municipal de Educação faz seminário sobre educação infantil e inclusiva

Evento reuniu educadores da rede municipal
(Foto:Danilo Bezerra)
Por Danilo Bezerra

Construir uma escola que atenda as necessidades mais diversas dos estudantes. Esse foi o tema norteador do Seminário de Educação Infantil e de Inclusão, realizado durante este sábado (27), pela Secretaria Municipal de Educação de Macaíba. Reunindo profissionais que atuam na educação infantil, o seminário aconteceu no salão de recepções Elion, localizado no bairro de São José, em Macaíba.

Na avaliação do secretário municipal de Educação, professor Domingos Sávio de Oliveira, o planejamento do ensino infantil é fundamental para o desenvolvimento dos alunos: “Desde que assumimos a gestão do ensino estamos voltados para a política de formação continuada, principalmente nesta 1ª fase do ciclo de ensino das nossas crianças: a educação infantil”. Sobre o tema do seminário o professor Domingos Sávio destaca: “Queremos discutir essa temática para além do que se entende por inclusão, pois na escola, todos os dias, existem várias especificidades que merecem atenção”.

A abertura do seminário contou a presença do prefeito de Macaíba, Fernando Cunha, que durante sua fala, destacou a importância do trabalho dos profissionais de educação para a melhoria nos indicadores do ensino do município: “Graças ao amplo esforço de todos os professores conseguimos avançar no nosso IDEB. Tudo que fazemos é para que possamos conseguir melhorar a educação de Macaíba”. Sobre a importância do seminário, o prefeito disse que “todo profissional deve ser capacitado, e na educação, essa ação deve ser contínua, pois ajuda na inovação em sala de aula”.

A importância que a atual gestão da Educação dá ao ensino infantil já é percebida pelos professores da rede municipal de ensino. A professora Rosemeri Pontes Ferreira, da Escola Municipal Pedro Gomes de Souza, destaca esse novo momento. “A educação Infantil agora recebe uma notoriedade e faz parte da preocupação de todos. Estamos fazendo de tudo para tirar aquela velha ideia de que a educação infantil é uma questão assistencialista, que as crianças vão para a escola somente para brincar. Na escola buscamos promover o aprender brincando”, falou.

“Devemos observar a teoria e colocarmos em prática, e que essa teoria se aplique as condições que são vistas na escola para uma prática pedagógica diferenciada”, essa é visão da professora Sheila Tavares sobre como o conhecimento adquirido no seminário deve impactar na rotina da escola. Atuando na Escola Municipal Dayse Hall, Sheila atende estudantes autistas, alunos com síndrome de down e com mobilidade reduzida.

Parceria

Atuando a mais de 20 anos no mercado, a Uninter é parceria da Secretaria Municipal de Educação na realização do seminário, como conta Leandro Gonçalves, representante da instituição no nordeste: “Buscamos a democratização do conhecimento e um evento como esse é muito importante, pois trata da primeira fase da educação básica, garantindo o desenvolvimento da criança e alfabetização na idade certa”. A Uninter trouxe para o seminário três palestrantes.

quarta-feira, 24 de maio de 2017

RN: Estudantes de escola estadual de Baraúna têm projeto premiado na maior feira de ciências do mundo nos Estados Unidos

Marcelo Abraão e Beatriz da Costa em Los Angeles
Fazer madeira reciclável de palha e sabugo de milho tem a força de uma inovação científica com futuro desdobramento prático na economia e na vida real das pessoas. Essa é a realização científica dos estudantes Marcelo Abraão de Melo Ramalho e Beatriz da Costa Dantas, da Escola Estadual João Abreu de Melo, da cidade de Baraúna, premiada na maior feira internacional de ciências, a INTEL ISEF, em Los Angeles, na Califórnia, Estados Unidos.

Com orientação da professora Priscilla Raquel Gurgel Rodrigues, os estudantes de Baraúna apresentaram em Los Angeles o projeto Madeco Sabugosa, que cria madeira utilizando de forma reciclável o sabugo e a palha do milho. Projeto que venceu a Feira de Ciências da Universidade Federal Rural do Semi-Árido (Ufersa), em Mossoró e, posteriormente, a Feira de Ciências e Engenharia (Febrace) da Universidade de São Paulo, maior evento do gênero no Brasil. Premiado na Febrace, o projeto dos estudantes de Baraúna foi selecionado para ser apresentado na maior feira de ciências do mundo, no estado americano da Califórnia, em Los Angeles, ocorrido entre os dias 15 e 19 deste mês.

Para o estudante Marcelo Abraão, estar na INTEL ISEF foi a concretização de um sonho. “Tivemos a oportunidade de conhecer pessoas do mundo inteiro e mesmo não sabendo nos comunicar no idioma deles, adquirimos muito conhecimento. Foi uma satisfação poder representar meu país e minha cidade, Baraúna. Além disso, pude levar o nome da minha família, dos meus pais que são pessoas tão batalhadoras”, declarou Marcelo.

Sua companheira de projeto, a estudante Beatriz Dantas disse que nenhuma palavra seria capaz de definir a emoção daqueles momentos. “Foi uma experiência única. Ir aos Estados Unidos para representar nosso país, nosso estado, cidade e nossa escola é algo maravilhoso. É algo tão diferente em nossas vidas que ainda não consigo descrever a sensação”, afirmou Beatriz.

Segundo a professora Priscilla Gurgel, a trajetória dos jovens de Baraúna até chegarem em Los Angeles durou um ano. Tudo começou com a Feira de Ciências da escola, na qual 10% dos projetos são selecionados para a etapa posterior. Em seguida, o projeto foi aprovado para a feira de ciências da Ufersa. “Tínhamos um sonho de ganhar uma credencial para Febrace, em São Paulo. Foi uma vitória muito grande, um feito inédito na cidade. A intenção não era só beneficiar Marcelo e Beatriz, mas que isso tivesse uma expressão a ponto de motivar professores e outros alunos”, disse a professora.

Ao chegar na Ufersa, os estudantes receberam a tão sonhada credencial para a Febrace. “Lá eram mais de 300 projetos dos alunos das melhores escolas brasileiras. Foi muito importante. E lá, conseguimos ser selecionados para a feira internacional”, explicou. Segundo a professora, Marcelo e Beatriz sempre foram bons alunos e já davam sinais de que iriam trilhar um bom caminho. “Eu já sabia que um dia eles entrariam na Universidade. São jovens da Zona Rural, moram num local afastado da cidade, mas em nenhum momento pensaram em desistir do projeto. São alunos maravilhosos e perseverantes. A ideia foi deles, o protagonismo é todo deles. Meu único papel foi abrir os caminhos para que eles fizessem o que já sabiam fazer”, declarou.

ESTÍMULO 

“Eu nem sei se esses meninos sabem descrever o que viveram. Foi uma abertura de horizontes”, declarou a professora Priscilla. Segundo ela, a iniciação científica é um passo muito importante na utilização do conhecimento do aluno. “Muitas vezes ele está aprendendo coisas que não sabe como aplicar. Quando esse conhecimento passa a ser aplicado as portas se abrem e o resultado é esse”, afirmou. 

Para a orientadora de Marcelo e Beatriz, o resultado alcançou diretamente os dois alunos idealizadores do projeto, mas, também, a escola, a região, a zona rural e toda a Educação do RN. A professora disse que pretende continuar trabalhando na iniciação científica, independente de premiações. “Sempre trabalhei com meus alunos como se todos os dias pudéssemos alcançar alguma coisa. Continuo estimulada a trabalhar, dar novos horizontes para todos os meus alunos. Minha honra é profissional. Não ganhei nada material, mas ganhei um estimulo maior, para continuar acreditando na nossa Educação”. declarou.

EXPERIÊNCIA

A INTEL ISEF é a maior feira científica do mundo e, na mais recente edição, participaram alunos de 78 países. Segundo Priscilla, foram mais de 1400 projetos de mais de 1700 estudantes. “Era um cenário muito difícil para um nordestino da zona rural de Baraúna, sem tecnologia de ponta. Existiam coisas lá que nós nunca havíamos visto aqui no Nordeste. Quando chegamos que nos deparamos com aquela realidade, ficamos assustados”, disse. Priscilla informou que Marcelo e Beatriz passaram por um treinamento para apresentar o projeto em inglês e também passaram por uma banca de avaliadores específicos. “Ser premiado é muito difícil e muito honroso. Numa escala maior, a Educação do RN ganha com isso e numa escala menor, todos da nossa escola”, disse Priscilla.

PROJETO
O projeto desenvolvido, "Madeco Sabugosa", é uma madeira ecológica oriunda principalmente da reutilização do sabugo e da palha do milho, com boa resistência, alta capacidade de impermeabilidade e viabilidade de produção.

sábado, 13 de maio de 2017

Baraúnas: Projeto de estudantes de escola estadual do RN representa o Brasil na grande feira de ciências de Los Angeles

Estudantes de Baraúnas na Febrace 2017
Estudantes de escola estadual do Rio Grande do Norte apresentam projeto científico na maior feira internacional de ciência universitária, a INTEL ISEF, em Los Angeles, na Califórnia, Estados Unidos. O projeto dos estudantes Marcelo Abraão de Melo Ramalho e Beatriz da Costa Dantas, da Escola Estadual João Abreu, da cidade de Baraúnas, foi selecionado na Feira Brasileira de Ciências e Engenharia (Febrace) da Universidade de São Paulo (USP), maior evento do gênero no país, que aconteceu em março deste ano.

O grande evento científico de Los Angeles acontece no período de 15 a 19 deste mês. O projeto dos dois estudantes potiguares, ambos com 17 anos, chamado Madeco Sabugosa, que inova como madeira ecológica feita com a reutilização do sabugo e da palha do milho, ganhou o prêmio mais disputado da Febrace, a credencial para a maior feira de ciências do mundo, a INTEL ISEF. O projeto também foi selecionado em segundo lugar na categoria de Ciências Agrárias.

Este ano, apenas duas pesquisas da região Nordeste foram selecionadas para o evento, entre elas a dos estudantes da Escola Estadual João de Abreu, que teve como orientadora a professora Priscilla Raquel Gurgel Rodrigues. A Febrace credencia anualmente 08 trabalhos de pesquisas científicas para a INTEL ISEF

Os estudantes potiguares estarão presentes na Feira de Los Angeles com apoio  da Secretaria da Educação do RN arcando com as despesas da delegação que também conta com a professora orientadora.

A Escola Estadual João Abreu, destaque atual na educação de todo do Rio Grande do Norte, foi fundada no ano de 1965, e atende a uma clientela de 1.020 alunos do ensino fundamental e médio.

A cada ano, cerca de 1.800 estudantes do ensino médio de mais de 70 países têm a oportunidade de mostrar na INTEL ISEF sua pesquisa independente e competir em média por 4 milhões de dólares em prêmios.

sexta-feira, 5 de maio de 2017

Natal: Professoras lançam livro sobre a intercompreensão de línguas românicas e inglesa

A intercompreensão de línguas românicas e inglesa é tema de livro lançado pelas professoras Janaina Oliveira (Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do RN) e Selma Alas Martins (Universidade Federal do RN). O lançamento aconteceu na noite quinta-feira (27) em evento na Academia Norte-rio-grandense de Letras, em Natal.
Professoras Janaína e Selma 

O livro “Intercompreensão de língua românica e língua inglesa”, produto de trabalho de pesquisa das educadoras, considera as semelhanças existentes entre línguas da mesma origem. Para a professora Janaina Oliveira, 35 anos, mestre em Estudos da Linguagem, e que leciona língua estrangeira no IFRN, campus de Currais Novos, a intercompreensão está relacionada com a condição que se pode ter de entender o outro, mesmo que cada um fale a sua própria língua.

“No caso do livro, você lê em outras línguas e busca entender o texto sem necessariamente ter estudado aquelas línguas, partindo da língua materna, nesse caso, o português”, explica Janaína. A professora destaca ainda sobre seu livro, originário de um trabalho de dissertação de mestrado, a importância da origem das línguas. “O inglês e o francês, por exemplo, têm semelhanças devido às questões históricas envolvendo as invasões, a aristocracia e a igreja”, concluiu Janaína.

O livro “Intercompreensão de línguas românicas e língua inglesa” pode também ser acessado gratuitamente no repositório do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do RN. O trabalho das professoras faz parte de um conjunto de livros publicados recentemente pela Editora do IFRN, em cooperação com a Academia Norte-Rio-Grandense de Letras.

quarta-feira, 3 de maio de 2017

EUA: Biblioteca do Congresso disponibiliza amplo acervo digital da Literatura do Cordel do Brasil

Biblioteca do Congresso dos EUA
Um acervo de mais de 12.000 peças, CDs e DVDs, de obras da Literatura de Cordel do Brasil está disponível no portal da Biblioteca do Congresso dos Estados Unidos desde fevereiro deste ano. O acervo digital sobre o tema Brazil Cordel Literature Web Archive está sendo disponibilizado pela ação do Escritório do Congresso dos EUA no Rio de Janeiro e pode ser acessado pelo endereço eletrônico do Cordel na Biblioteca do Congresso.

O Escritório da Biblioteca do Congresso no Rio de Janeiro e a Divisão Hispânica da Biblioteca do Congresso em Washington têm trabalhado conjuntamente com o American Folklife Center (AFC) para que essa coleção de cordéis se torne uma das maiores do mundo. Entre as mais de 12.000 peças está a famosa coleção de Sol Biderman e algumas datadas da década de 1930. Para capturar o trabalho dos repentistas, o Escritório também adquiriu CDs e DVDs, além de outros títulos de cordéis. Alguns deles já estão disponíveis no site do Escritório da Biblioteca do Congresso.

A Biblioteca do Congresso Americano (Library of Congress), além do  escritório do Rio de Janeiro, possui mais cinco escritório no exterior. Seu acervo inclui materiais como publicações, obras, etc. do Brasil, Uruguai, Suriname, Guiana e da Guiana Francesa. O objetivo é ampliar as coleções de pesquisa da Biblioteca do Congresso. 

O Escritório do Programa Nacional de Catalogação e Aquisição foi inaugurado em 1966 para suprir a Biblioteca do Congresso com publicações brasileiras. As publicações adquiridas incluem livros, jornais, revistas, folhetos, literatura de cordel, CDs, CD-ROMs, DVDs, mapas, cartazes e partituras musicais. Muitas publicações são compradas, porém um pouco mais da metade do total adquirido pelo escritório é proveniente do intercâmbio com cerca de 500 instituições. No último ano foram adquiridas 15.624 peças, provenientes de compra e doação.

quarta-feira, 5 de abril de 2017

UFRN: Escritor nigeriano faz palestra sobre "Literatura infantil de raiz africana" nesta sexta-feira (7)

Nigeriano Sunny fala sobre literatura infantil africana
O escritor nigeriano Sunday Ikechukwu Nkeechi (Sunny) faz palestra nesta sexta-feira (7), no auditório do Centro de Educação da UFRN, em Natal, às 19h30. Sunny fala sobre o tema "Literatura infantil de raiz africana.

O evento, promovido pelo Grupo de Pesquisa "Ensino e Linguagem", vinculado ao Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), em parceria com a Paulinas Editora, é dirigido a estudantes e professores das redes pública e privada que atuam na Educação e na Literatura. A inscrição é gratuita e pode ser feita por meio de e-mail para baseliteratura@yahoo.com.br, informando - Assunto:Sunny. Inscreva-me na palestra de Sunny.

Sunny mora no Brasil e é graduado em Letras e Educação Física. Interessou-se pelo país quando, ainda criança, soube da existência do jogador de futebol Edson Arantes do Nascimento - o Pelé. Tem vários livros publicados, e em sua obra reconta histórias da tradição africana que ouviu de seus antepassados. Histórias como "Ulomma; As aventuras de Torty a tartaruga"; e "Contos da lua e da Beleza perdida".

segunda-feira, 27 de março de 2017

Natal: 1ª Jornada Potiguar de Leitura e Educação tem palestras de Roseana Murray e Marly Amarilha

Evento promovido pelo Projeto Casa das Palavras terá palestras da autora infantil carioca Rosena Murray e da autora e professora da UFRN, Marly Amarilha. A 1ª Jornada Potiguar de Leitura e Educação, destinada a professores da rede pública e privada, acontece durante todo o dia 7 de abril, no auditório da FIERN, em Natal.

Roseana Murray
A autora infantil Roseana Murray, que fala no período da tarde, publicou seu primeiro livro em 1980. Desde então, foram cerca de 60 títulos publicados para o público infantil. Murray é formada em Língua e Literatura Francesa, pela Universidade de Nancy. Em 2002, recebeu o Prêmio Academia Brasileira de Letras, com o livro Jardins, em parceira com Roger Mello. 


A professora Marly Amarilha, palestrante no período da manhã, é titular no programa de pós-graduação em Educação da UFRN, responsável direta pela introdução do ensino de Literatura no curso de Pedagogia. É graduada em Letras em Português e Inglês, e doutora pela University of London (Inglaterra), e é autora dos livros "Estão mortas as fadas?" e "Alice que não foi ao Páis das Maravilhas: educar para ler ficção na escola". 

Marly Amarilha
A Jornada também contará com a participação de três editoras do Rio Grande do Norte - a Comunique a CJA e a Jovens Escribas, que estarão com seus principais autores no evento em contato com os educadores. A expectativa dos organizadores é de que o evento promova o encontro de representantes de mais de 100 escolas da rede pública e particular estadual e municipal com mais de 15 autores. 

As inscrições para a Jornada são feitas mediante indicação de represantes das escolas convidadas. "Nosso objetivo é poder mostrar para os educadores das escolas públicas e privadas que existe boa produção editorial aqui no RN, e que não deixa nada a desejar entre o que existe de melhor no país, tanto em conteúdo, orientação didática, como também em qualidade gráfica", explica o coordenador do projeto Casa das Palavras, Rilder Medeiros. 

A Jornada também vai contar com a apresentação de grupos e artistas do estado, entre eles, o poeta e cordelista mossoroense Antonio Francisco e o grupo de teatro natalense "Facetas, Mutretas e Outras Histórias".

Outra participação confirmada é do representante da campanha mundial Two Sides, de valorização da comunicação impressa, Fábio Arruda Mortara, que realiza palestra sobre a sustentabilidade e confiabilidade da impressão gráfica de livros.

sábado, 18 de março de 2017

RN: Educação estadual tem forte presença na maior feira de ciências do Brasil

Estudantes do RN têm sempre presença na Febrace
Por Jorge Ivan Barbosa

A escola pública do Rio Grande do Norte tem forte presença na Feira de Ciências e Engenharia da USP (Febrace), maior evento do gênero no país, com 07 trabalhos produzidos por alunos norteriograndenses. A Febrace acontece no período de 20 a 24 deste mês, nas dependências da Escola Politécnica da Universidade de São Paulo (USP), na capital do estado de São Paulo.

O Rio Grande do Norte estará representado na Febrace pelos projetos científicos elaborados por alunos da Escola estadual "Severiano Melo" (Severiano Melo), com o trabalho "A utilização do produto Bemisia S (óleo de algodão) nas plantas da região que são afetadas pela mosca branca"; da Escola Estadual "Silvestre Veras" (Espírito Santo do Oeste - Paraú), com o trabalho sobre "Avaliação da ação inseticida do extrato do velame (Cróton Heliotropifolius) no combate ao barbeiro; da Escola Estadual "Professor Hermógenes Nogueira da Costa" (Mossoró), com o trabalho "Embacaju: embalagem biodegradável produzida a partir do reaproveitamento da folha de caju".

Trabalho feito por estudantes da Escola Estadual "João Abreu" (Baraúna), com o projeto científico "Madeco Sabugosa: Madeiras ecológicas, provenientes da reuitilização do sabugo da palha do milho"; da Escola Estadual "11 de Agosto" (Umarizal), com o trabalho "Tapete de Segurança: uma alternativa para a prevenção de acidentes domésticos com crianças de 0 a 9 anos de idade"; da Escola Estadual "Aída Ramalho Cortez Pereira" (Mossoró), com o trabalho "The book its (Long time support): produção e aplicação de uma rede social educaciona como meio de ensino e aprendizagem"; e da Escola Estadual "Abel Coelho" (Mossoró), com o projeto científico "Propriedades do extrato glicólico feito à base da casca da planta do neem (Azadiracht indica)".

O avanço da presença do Rio Grande do Norte na feira de ciências da USP está relacionado com o projeto de iniciativa da Universidade Federal Rural do Semi-Árido (Ufersa) de estímulo ao trabalho de pesquisa em escolas de ensino médio do semi-árido potiguar.

A Febrace se firma como um amplo movimento nacional de estímulo ao jovem cientista reunindo todo o ano na USP, desde 2003, projetos de várias partes do país.

domingo, 12 de março de 2017

Natal: Salesiano tem cursos de formação com professores da Finlândia

Pauta Tadeu Oliveira

O Colégio Salesiano prepara um curso de formação para seus docentes com a marca da qualidade de quem é referência mundial em Educação, a Finlândia. O curso de formação de docentes para o século XXI, que envolve os colégios Salesiano São José (Ribeira, Natal) e Dom Bosco (Nova Parnamirim, região metropolitana), acontece no período de 20 a 24 de março.

Com a presença de aproximadamente 80 educadores do complexo de educação Salesiano, envolvendo docentes do ensino infantil ao ensino médio, o curso será realizado nas dependências do Salesiano São José.

Feito em parceria com a Tampare University of Applied Sciences (TAMK) e Hänw University of Applied Sciences (HAMK), da Finlândia. A equipe de formadores tem a presença em Natal dos professores Irma Elina Kunnari e Juha Antti Tapio Lahtinen.

A Finlândia se notabiliza também por ter um dos currículos mais avançados do mundo. A educação finlandesa enfatiza a valorização do professor e os projeto interdisciplinares, e oferece em sala de aula as mais avançadas ferramentas digitais.

quarta-feira, 22 de fevereiro de 2017

Primeiro Mundo: Escola SESC do Rio de Janeiro recebe 04 novos estudantes potiguares

Marcelo Queiroz e os novos alunos da Escola SESC - RJ
A Escola SESC de Ensino Médio, do Rio de Janeiro, considerada a melhor do gênero no país, recebe este ano quatro novos estudantes do Rio Grande do Norte. Estarão estudando na verdadeira escola de tempo integral, padrão primeiro mundo, a macaibense Jéssica Alves, e os alunos caicoenses Wiliana Medeiros, Matheus Medeiros e Arthur Junqueira.

Os novos estudantes da ESEM e seus familiares foram recebidos para um almoço de confraternização na terça-feira (21) pelo presidente do Sistema Fecomércio RN, Marcelo Queiroz. Na oportunidade, que também contou com a presença da diretora regional do SESC - RN, Jeane Amaral, Marcelo Queiroz fez um relato do que é a moderna escola do SESC - RJ, que será também o lar dos alunos nos próximos três anos. O Sistema Fecomércio é a entidade que compreende também o SESC e o Senac.

"Considero vocês já vencedores", afirmou na ocasião o empresário Marcelo Queiroz. Os quatros estudantes vencedores disputaram as vagas com 223 concorrentes no âmbito do Rio Grande do Norte. A Escola SESC de Ensino Médio do RJ oferece este ano 164 vagas para todo o Brasil.

“A ESEM é uma escola de primeiro mundo que oferece uma formação completa que inclui, além da grade pedagógica normal, aulas de Inglês, Espanhol, música, teatro e a prática de esporte. Há toda uma gama de conteúdo para os jovens de todo o Brasil. Desejo sucesso e que vocês aproveitem a oportunidade, que é ímpar”, ressaltou Marcelo Queiroz.

A Esem é uma escola de referência no país, com turmas de no máximo 15 alunos que recebem todo o suporte acadêmico, com sólida formação em inglês, espanhol e tecnologia, atividades artísticas, culturais e esportivas, além de intercâmbio com escolas norte-americanas. Além dos quatro selecionados para este ano, outros 34 alunos potiguares já concluíram o ensino médio na escola.

“Quando eu soube da Esem, pesquisei, vi que ali era onde eu queria estar. Espero ampliar meu conhecimento, uma oportunidade para eu ter um ensino melhor, já pensando no meu futuro”, declarou Wiliana Medeiros.

sábado, 18 de fevereiro de 2017

Destaque Potiguar: A visão da reitora da UFRN sobre a realidade da mulher atual

Por Isaias Oliveira
Trecho de matéria publicada na Revista Foco na edição deste mês

Avanços e desafios refletem bem a caminhada das mulheres no contexto da sociedade moderna desde os acontecimentos de 8 de março de 1857 em uma fábrica em Nova Iorque, quando operárias em greve reivindicavam redução da jornada de trabalho, que chegava a 16 horas diárias, para 10 horas. Operárias que, embora trabalhassem dois terços das horas do dia, recebiam apenas um terço dos salários dos homens.

Reitora Ângela Paiva
Avanços e desafios, nesta ordem, representam conquistas obtidas com muita luta, e obstáculos que se apresentam a todo o momento e em todas as partes do mundo. O dia 8 de março, representativo da luta de mulher, que se estende por milênios e que já acontecia antes dos acontecimentos na Nova Iorque de 1857, permanece apontando para um contexto atual ainda injusto e com múltiplos desafios a serem superados. 

A mulher não apenas vota, mas é votada e já comanda importantes países no mundo, é legisladora, está à frente de instituições internacionais, comanda empresas multinacionais, é legisladora e ministra da suprema corte, está antenada com o mundo do empreendedorismo, tem consciência da necessidade de se capacitar profissionalmente, e prioriza a busca do conhecimento. 

Já atua na sociedade com um protagonismo que lhe coloca como sócia do homem no esforço por uma vida melhor e por uma cidadania plena. A presença da mulher nas universidades já é igual ou superior a presença masculina, e sua presença no mercado de trabalho é crescente. Contudo, o mercado de trabalho ainda não dá à mulher o tratamento que é dispensado ao homem. A remuneração da mulher ainda é menor e essa constatação se faz presente nos mais variados setores produtivos da sociedade. 

A mulher ainda é vítima da violência doméstica e urbana, e essa violência permanece em diversas regiões do mundo sendo colocada para debaixo do tapete. 

A luta cotidiana de conquistas não pode perder de vista a trajetória histórica de afirmação vivida por milhões de mulheres ao redor do mundo em busca da dignidade e da cidadania. A reitora da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), Ângela Maria Paiva Cruz, chama a atenção para o fato de a mulher ter sido vista historicamente de forma inferior com relação ao homem, e que a conquista de direitos e de espaço tem acontecido, mas a percepção sobre sua realidade não tem mudado na mesma proporção. 

“Nessa segunda década do século XXI, por termos o direito igualitário de votar e ser votada pode parecer que sempre foi assim. O que não é verdade. Historicamente fomos vistas de forma tão inferior, que votar só cabia ao homem. Basta ver que primeira mulher a votar no Brasil foi Celina Guimarães, professora nascida em Mossoró. O fato é de novembro de 1927 e como se vê, um passado muito recente. Talvez por isso a realidade feminina seja tão desafiadora. A maioria continua com os sonhos de suas avós, como, por exemplo, o de ser mãe, e sonhando, também, com outros papeis sociais. Queremos dizer com isso que os direitos da mulher foram conquistados a partir de lutas, mas ainda não estão ao alcance de todas, se considerados principalmente os fatores econômicos e culturais da sociedade patriarcal. O papel da mulher na sociedade atual avança no âmbito profissional, social, familiar, mas ainda há formas de observá-la sob uma visão conservadora, sob censura. Por vezes de forma explícita, por vezes de maneira velada. Em resumo, a sua realidade da mulher no mundo atual é muito paradoxal, uma vez que a conquista de direitos e de espaço de ação aconteceu, mas não mudou na mesma proporção a percepção sobre a sua realidade”. 

A reitora da UFRN observa uma presença maior da mulher em espaços que requerem qualificação no mercado de trabalho. “A busca de mais escolarização em nível superior e em cursos de qualificação é uma estratégia da mulher para se fazer presente no mercado de maneira qualificada, e não um “favor” da sociedade. Tanto, que as estatísticas de matrículas no ensino superior revelam uma maioria feminina. Considero essa uma forma saudável e corajosa da mulher buscar sua cidadania plena. A qualificação tem feito com que a mulher ingresse em diversos mercados de trabalho e em vários setores. São excelentes no que fazem. Formam grandes quadros docentes na educação básica e em muitas áreas da educação superior, por exemplo. Porém, observa-se que em alguns setores, mesmo quando apresenta qualificação igual à do homem, o salário da mulher é inferior. 
Creio que a escolarização tem sido um fator determinante para que outros direitos sejam garantidos e respeitados. No entanto, as questões não são apenas salariais. As condições de trabalho e o respeito ao ser mulher continuam sendo reivindicadas”. 

Ângela Paiva entende que um dos principais problemas ainda existentes na sociedade é a violência contra a mulher. “As ações da sociedade são as ações de cada cidadão e das instituições nela organizadas. Um dos principais problemas vivenciados na sociedade é a violência contra a mulher. Atualmente esse problema está mais visível em decorrência de leis, como a Maria da Penha, fruto também de uma corajosa mulher, vítima do seu marido. As lutas contra o preconceito e o assédio sexual são travadas continuamente no contexto social, na família, na escola, na rua e no trabalho, mas precisam avançar. As ações precisam ser educativas, para que imprimam mudanças comportamentais e culturais no âmbito familiar e escolar e, também organizacional, do trabalho. Mas, necessárias também são as ações ou determinações legais para que a violência não seja o fantasma por trás de cada porta onde mora, estuda ou trabalha uma mulher”. 

O importante é que as conquistas obtidas até agora não levem a uma acomodação por parte das mulheres, avalia a reitora da UFRN. “Gostaria de frisar, primeiro, que as questões concretas da luta da mulher não reforçam e nem nos colocam na condição de vítima, porque temos consciência de que somos fruto sensível de uma sociedade patriarcal. Louvável, nessa história, é que não nos acomodamos às condições desfavoráveis a nós mulheres e essa nossa “sensibilidade”, que podemos considerá-la também um “estado de consciência” nos possibilita enxergar a nossa condição de ser biológico diferente, porém politicamente, no sentido filosófico, igual ao homem. Ou seja, agimos e lutamos quando algo não vai bem ou nos incomoda". 

"Em muitos casos lutar por direitos nossos é uma questão não apenas de viver, mas de sobreviver e de não morrer. Lembro (agora) de uma pergunta que não cala para a mulher: por que temos que conquistar o direito de 'sermos' o que queremos ser? Observar a história e o contexto social explica que avançamos por "conquistas". Não precisava ser assim, no entanto, assim se constituiu a sociedade contemporânea. Nesse processo, o nosso grande desafio é sermos cidadãs no sentido pleno. Podermos pensar, escolher, decidir e ter o respeito do outro, independente de seu gênero”, completa a reitora Ângela Paiva.


Repercussão da participação da reitora Ângela Paiva na matéria especial da Revista Foco e no evento Destaque Potiguar em texto divulgado pela Agência de Comunicação da UFRN 

Ângela Paiva e o diretor da Revista Foco
Entre as 15 mulheres homenageadas na noite dessa quarta-feira, 15, pela Revista Foco Nordeste, a reitora da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), Ângela Maria Paiva Cruz, declarou à publicação que os direitos e conquistas ainda não barraram a censura, a violência e as outras formas de discriminação à mulher. 

Assim como gestoras públicas, educadoras e empresárias, Ângela Paiva recebeu das mãos do diretor da revista, Marcus César de Morais, o Troféu Mulher Destaque Potiguar 2017. Em nome das homenageadas, a vereadora de Natal Wilma de Farias falou sobre as diferenças salariais entre homens e mulheres que ocupam os mesmos cargos e dedicou a premiação às mulheres anônimas que batalham diariamente pelo sustento familiar.

A homenagem aconteceu no auditório da Federação do Comércio do RN (Fecomércio) na presença de lideranças políticas, convidados especiais e familiares.