terça-feira, 14 de fevereiro de 2012

USP alcança a 20ª posição em ranking mundial de universidades

A Universidade de São Paulo (USP) atingiu a 20ª colocação em ranking mundial que classifica as instituições de ensino superior pela relevância na internet.

Além de manter o primeiro lugar entre as universidades da América Latina conquistado já no levantamento de janeiro de 2010 do Webometrics, a USP ganhou 23 posições em relação à lista de julho. O ranking realizado pelo grupo de pesquisa Cybermetrics Lab, do Conselho Superior de Investigações Científicas da Espanha, é divulgado duas vezes ao ano.

Para a USP, essa nova classificação sinaliza que a universidade tem visibilidade significativa na internet e atribui a melhora no posicionamento à recente reformulação feita no portal da instituição.

Nesta edição, além da USP, o Brasil melhorou no ranking. Entre as 200 primeiras universidades, sete são brasileiras – em julho de 2011 eram quatro. Na lista das top 100, aparece pela primeira vez a Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) em 71º lugar – antes apenas a USP ficava no seleto grupo.

A UFRGS ganhou 79 posições em um semestre. Segundo o reitor da instituição, Carlos Alexandre Netto, o crescimento tem pelo menos três causas. A primeira delas é o repositório digital Lume, que disponibiliza desde 2008 artigos, livros, teses e trabalhos de conclusão dos acadêmicos da universidade, além do acervo fotográfico da instituição. O site da UFRGS também passou por mudanças em outubro do ano passado que deixaram a página mais moderna e organizaram melhor a informação. Para completar, Netto atribui o resultado à produção científica da UFRGS.

“Este ranking dá a medida da importância acadêmica da instituição. A Universidade Federal do Rio Grande do Sul subiu 80 posições em relação ao levantamento divulgado em julho de 2011. Isso mostra que a UFRGS está consolidada entre as 100 melhores universidades do mundo”, afirma.

As demais universidades brasileiras que aparecem entre as 200 melhores são: Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (122º), Universidade Federal de Santa Catarina (129º), Universidade Federal do Rio de Janeiro (171º), Universidade de Brasília UNB (184º) e Universidade Estadual de Campinas (193º).

Troca na liderança

No topo da lista do ranking houve uma mudança. A Universidade de Harvard reassumiu o primeiro lugar no lugar do Massachusetts Institute of Technology (MIT), depois de duas edições na segunda posição. A Universidade de Stanford manteve a terceira colocação. Até a 16º colocação do ranking todas as instituições são norte-americanas e entre as 200 melhores, 86 são daquele país.
Universidades no raking Webometrics por país.

Relevância na internet

Para chegar ao resultado, o Webometrics leva em consideração a presença dos trabalhos científicos das universidades na internet, não apenas nos meios formais, mas também na comunicação informal. O objetivo original do levantamento era promover a publicação online de trabalhos científicos. O grupo de pesquisa que organiza o ranking acredita que a presença e a visibilidade na web são os melhores indicadores para descrever a performance das universidades no século 21.

Para medir a repercussão das instituições, o ranking utilizou nesta edição quatro critérios: visibilidade (número total de links externos e domínios de referência de acordo com o Majestic SEO), tamanho (número de resultados de busca no Google), rich files (volume de arquivos de conteúdo acadêmico nos formatos PDF, Adobe PostScript, Microsoft Word e PowerPoint, obtido através do Google) e Scholar (número de publicações e citações para cada domínio acadêmico, obtido no Google Scholar no período de 2007 a 2011 e no Scimago de 2003 a 2010). Foram analisadas nesta lista mais de 20 mil instituições, apenas as com um domínio online único.
Fonte: Portal IG

Nenhum comentário:

Postar um comentário