Pular para o conteúdo principal

USP alcança a 20ª posição em ranking mundial de universidades

A Universidade de São Paulo (USP) atingiu a 20ª colocação em ranking mundial que classifica as instituições de ensino superior pela relevância na internet.

Além de manter o primeiro lugar entre as universidades da América Latina conquistado já no levantamento de janeiro de 2010 do Webometrics, a USP ganhou 23 posições em relação à lista de julho. O ranking realizado pelo grupo de pesquisa Cybermetrics Lab, do Conselho Superior de Investigações Científicas da Espanha, é divulgado duas vezes ao ano.

Para a USP, essa nova classificação sinaliza que a universidade tem visibilidade significativa na internet e atribui a melhora no posicionamento à recente reformulação feita no portal da instituição.

Nesta edição, além da USP, o Brasil melhorou no ranking. Entre as 200 primeiras universidades, sete são brasileiras – em julho de 2011 eram quatro. Na lista das top 100, aparece pela primeira vez a Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) em 71º lugar – antes apenas a USP ficava no seleto grupo.

A UFRGS ganhou 79 posições em um semestre. Segundo o reitor da instituição, Carlos Alexandre Netto, o crescimento tem pelo menos três causas. A primeira delas é o repositório digital Lume, que disponibiliza desde 2008 artigos, livros, teses e trabalhos de conclusão dos acadêmicos da universidade, além do acervo fotográfico da instituição. O site da UFRGS também passou por mudanças em outubro do ano passado que deixaram a página mais moderna e organizaram melhor a informação. Para completar, Netto atribui o resultado à produção científica da UFRGS.

“Este ranking dá a medida da importância acadêmica da instituição. A Universidade Federal do Rio Grande do Sul subiu 80 posições em relação ao levantamento divulgado em julho de 2011. Isso mostra que a UFRGS está consolidada entre as 100 melhores universidades do mundo”, afirma.

As demais universidades brasileiras que aparecem entre as 200 melhores são: Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (122º), Universidade Federal de Santa Catarina (129º), Universidade Federal do Rio de Janeiro (171º), Universidade de Brasília UNB (184º) e Universidade Estadual de Campinas (193º).

Troca na liderança

No topo da lista do ranking houve uma mudança. A Universidade de Harvard reassumiu o primeiro lugar no lugar do Massachusetts Institute of Technology (MIT), depois de duas edições na segunda posição. A Universidade de Stanford manteve a terceira colocação. Até a 16º colocação do ranking todas as instituições são norte-americanas e entre as 200 melhores, 86 são daquele país.
Universidades no raking Webometrics por país.

Relevância na internet

Para chegar ao resultado, o Webometrics leva em consideração a presença dos trabalhos científicos das universidades na internet, não apenas nos meios formais, mas também na comunicação informal. O objetivo original do levantamento era promover a publicação online de trabalhos científicos. O grupo de pesquisa que organiza o ranking acredita que a presença e a visibilidade na web são os melhores indicadores para descrever a performance das universidades no século 21.

Para medir a repercussão das instituições, o ranking utilizou nesta edição quatro critérios: visibilidade (número total de links externos e domínios de referência de acordo com o Majestic SEO), tamanho (número de resultados de busca no Google), rich files (volume de arquivos de conteúdo acadêmico nos formatos PDF, Adobe PostScript, Microsoft Word e PowerPoint, obtido através do Google) e Scholar (número de publicações e citações para cada domínio acadêmico, obtido no Google Scholar no período de 2007 a 2011 e no Scimago de 2003 a 2010). Foram analisadas nesta lista mais de 20 mil instituições, apenas as com um domínio online único.
Fonte: Portal IG

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

UFRN: Professora Selma Jerônimo recebe prêmio da Universidade de Iowa nos Estados Unidos

Trabalho de pesquisas desenvolvido pela professora Selma Jerônimo, da  Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN) na área de saúde pública, foi contemplado com o prêmio internacional Impact Award, concedido pela Universidade de Iowa, dos Estados Unidos. O prêmio é destinado à profissionais ou às instituições que colaboram com a Universidade de Iowa na construção de conhecimentos voltados para programas sociais que melhorem a vida das pessoas. Professora Selma Jerônimo A pesquisadora Selma Jerônimo, diretora do Instituto de Medicina Tropical da UFRN, é parceira da Universidade de Iowa desde o ano de 1996. Ela lembra a importância que está tendo o conhecimento gerado no próprio Instituto, na Escola Maternidade Januário Cicco, no Centro de Biologia da UFRN e no Departamento de Infectologia do Hospital Gizelda Trigueiro, para melhorar a vida das pessoas no Rio Grande do Norte. “A contribuição diária do IMT, MJEC, CB e do Departamento de Infectologia do HGT quebra o cic

Moacir de Lucena: o semeador de escolas

Moacir de Lucena e família em solenidade da UFRN (outubro de 2003) Matéria publicada na edição de novembro da Revista Foco English version Professor, tipógrafo, juiz, advogado, músico, jornaleiro, poeta, normalista, chefe escoteiro, esportista, animador cultural, educador itinerante.  Em sua trajetória de 100 anos de vida pelo Rio Grande do Norte, o oestano filho de Martins, Moacir de Lucena, procurou ser, acima de tudo, um servidor na luta pelo progresso social das pessoas. Desde cedo entendeu que esse progresso social só chegaria pela via da Educação.  Neste campo, de forma inovadora criou um método próprio de alfabetização com resultados concretos junto aos estudantes. Método que depois foi empregado com estardalhaço por Paulo Freire. Mas, Moacir de Lucena chegou antes, sem estardalhaço, sem propaganda, mas com a luminosidade das coisas feitas e da transformação extraordinária do analfabeto em alfabetizado. Entre as tentativas de definir Moacir de Lucena, seu filho L

7º SEL: UFRN prepara grande evento de Educação e Leitura para novembro

Reunião com a reitora sobre o 7º  SEL Matéria atualizada às 12h30 desta quinta-feira (2) Estão adiantados os preparativos para o 7º Seminário Educação e Leitura da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), um dos maiores eventos no gênero no país. O 7º Seminário Educação e Leitura (SEL) acontece de 11 a 14 de novembro no Centro de Convenções do Praiamar Natal Hotel, em Ponta Negra, e deverá reunir mais de 1.000 participantes de todas as regiões do Rio Grande do Norte e de várias partes do Brasil. Em reunião ocorrida na manhã desta quinta-feira (2) a reitora da UFRN, Ângela Paiva garantiu total apoio ao evento. Participaram da reunião no gabinete da reitoria, a professora Marly Amarilha, a diretora do Centro de Educação da UFRN, Márcia Gurgel, e a professora Ângela Naschold, da equipe de organização do Seminário. As inscrições estão abertas a partir desta quarta-feira (01) para ouvintes e para apresentação de trabalho ou oferta de minicurso.  Equipe do Se