quinta-feira, 29 de novembro de 2012

Prefeitura abandona escolas e ano letivo pode só terminar em 2013

Escolas podem fechar as portas nesta sexta (30)


Por Tadeu Oliveira

A ideia de parar o ano letivo na rede municipal de ensino, puxada com a articulação do Sindicato dos Trabalhadores da Educação do RN (Sinte-RN), tem causado surpresa junto ao alunado e comunidades escolares nos diversos bairros de Natal.

Pela ideia, que conta com apoio de instituições defensoras dos direitos do Cidadão e certa omissão por parte do poder público, as escolas da rede municipal de Natal simplesmente param suas aulas na próxima sexta-feira (30), detonando o final do ano letivo 2012.

Ano letivo esse que seria complementado em 2013, mas não se sabe como e muito menos está se levando em conta o prejuízo de alunos e suas famílias.


Os gestores públicos, incluindo vários diretores e vice-diretores de escolas do município, afirmam que não têm mais condições de manter o pleno funcionamento das instituições de ensino.


A motivação é a falta de merenda, de equipes de apoio e de professores suficientes para conduzir o cotidiano de aulas das escolas municipais que oferecem ensino fundamental e educação infantil.

O sério problema é que a Prefeitura de Natal não tem mais crédito na praça. Diante disso, nenhuma empresa ou instituição quer fazer negócio com ela, é o fim.

A contratação de professores, nessa altura do campeonato, está fora de cogitação.

Caso a proposta de parada prevaleça, o ano letivo de 2012 seguirá mesmo pelo mês de março 2013 e já com um novo prefeito. A Educação vai continuar convivendo com o tradicional “deixa pra depois”, e o efeito dominó acontecendo e devastando o ensino público.

As escolas, dentro do sistema de autonomia no ensino público, podem não aderir, dentro das possibilidades e decisões de cada uma, a essa proposta de postergação do ano letivo 2012 e dar continuidade ao calendário escolar previsto.

Entretanto, necessitarão do apoio da comunidade escolar, dos pais e da iniciativa privada. Mas, é bom lembrar, isso é uma condicionante, uma espécie de quebra-galho para sanar o problemão criado pelo desastre administrativo que fez com que a cidade regredisse no tempo uns 10 anos e a Educação não é, nem jamais pode entender que seja, uma ilha de exceção.

O bom andamento do ano letivo na escola pública não é dever do cidadão que forma a comunidade escolar, esse já paga, compulsoriamente, seus impostos para que as coisas sejam feitas e aconteçam.

A responsabilidade pelas escolas municipais e pelo andamento do ano letivo é toda da Prefeitura de Natal. Nada pode encobrir isso.

Nenhum comentário:

Postar um comentário