terça-feira, 11 de dezembro de 2012

Expansão do Ensino Superior no RN é discutida em Natal

Fátima Bezerra fala com reitores e secretário do MEC

Gestores da Ufersa, UFRN, IFRN e UERN, sindicalistas, estudantes, servidores e professores, discutem a expansão do Ensino Superior no Rio Grande do Norte em evento promovido pela Comissão de Educação e Cultura da Câmara Federal que tem como presidente a parlamentar Fátima Bezerra.

O 1º Seminário de Expansão de Educação Profissional e Tecnológica do Ensino Superior aconteceu na segunda-feira (10), no auditório do IFRN, Cidade Alta, em Natal. 

Na ocasião, foi entregue ao secretário de Educação do MEC, Amaro Henrique Lins, proposta para a continuidade da expansão da rede federal de ensino, sugerindo ainda aos participantes a continuação das discussões por meio de Grupos de Trabalhos com representantes das quatro instituições de ensino. “Vamos formalizar e entregar ao MEC um Plano de Expansão para o RN com o levantamento das principais prioridades, incluindo, a criação do curso de medicina na Universidade Federal Rural do Semi-Árido”, afirmou a deputada Fátima Bezerra.

No Seminário, os reitores potiguares apresentaram os números e ações de suas instituições justificando a importância da expansão universitária e técnica no RN.

UFERSA – Em processo de consolidação do seu crescimento, a Universidade Federal Rural do Semi-Árido apresentou os números que comprovam a expansão e demandas para garantir a continuidade do crescimento.


A Ufersa tem 32 cursos de graduação distribuídos nos campi de Mossoró, Angicos, Caraúbas e Pau dos Ferros e, 12 cursos de pós-graduação, sendo 9 mestrados e 2 doutorados. 


Há três anos com entrada de alunos exclusivamente via ENEM/SISU, a Universidade do Semi-Árido passou de 720 para 1.480 vagas anuais. “A partir de 2013, a Ufersa irá destinar 25% de suas vagas para estudantes cotistas e, a partir de 2014, esse percentual subirá para 50%”, afirmou o reitor, professor José de Arimatea Matos.

Com base na última entrada de estudantes, 45% são provenientes de escolas públicas. O reitor revelou ainda que 82% dos estudantes são do Rio grande do Norte, sendo a sua maioria, da região oeste do estado. Para o reitor, a Ufersa cumpriu em 100% as metas estabelecidas pelo REUNI para a instituição, chegando a se superar na pós-graduação. O conceito 4 obtido consecutivamente na avaliação do MEC representa a qualidade no crescimento.

Visando manter o crescimento da Ufersa, o reitor apresentou demandas para a Universidade como a criação do curso de letras/libras, as licenciaturas em matemática, física e biologia e, o departamento de ciências da saúde com os cursos de medicina, nutrição, fisioterapia e psicologia.

Na Ufersa Angicos o curso de bacharelado em ciências e humanidades (políticas públicas e ciência socioambiental) e o de pedagogia. “ Angicos vai ganhar o memorial Paulo Freire e a instalação do curso de pedagogia é de grande importância no campus do sertão central”, disse o reitor Arimatea Matos.

Para os campi de Caraúbas e Pau dos Ferros, o reitor adiantou que a meta é consolidar a implantação dos cursos de engenharias já pactuados com o MEC. Para alcançar as metas, Arimatea Matos, apresentou ao secretário de ensino superior os novos desafios como à contratação de pessoal, professores e servidores, a construção e aquisição de novos equipamentos, além de infraestrutura estudantil como residência universitária e restaurante para os campi.


IFRN – Tendo registrado a maior expansão no país, o IFRN subiu de 2 para 16 novos campi, estando atualmente com três construções em andamento e com previsão para entrar em funcionamento em 2013 (Ceará Mirim, Canguaretama e São Paulo do Potengi).

“Para se ter uma ideia desse crescimento o número de professores subiu em seis anos de 350 para 1.002; os servidores de 241 para 800 e, o número de alunos de 6 mil para 24 mil”, apresentou o diretor do IFRN, professor Belchior de Oliveira Rocha.

O IFRN conta com 35 cursos técnicos, 14 graduações técnicas, 8 cursos de licenciaturas e 11 cursos de pós-graduação, totalizando 68 cursos. O Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do RN atua nas áreas da indústria, serviços, informática e recursos naturais.

UFRN – Atualmente com 7 campi, 129 cursos e mais de 28 mil alunos matriculados, a Universidade Federal do Rio Grande do Norte também apresentou desafios como a implantação de novos cursos tanto no campus central em Natal como na região do seridó. Libras, oceanografia, ciências climáticas (Natal), serviço social, psicologia, web comunicação, técnico em saúde coletiva, artes e, ciência e tecnologia (Seridó).

UERN – Pioneira na expansão da formação superior no interior, a Universidade do Rio Grande do Norte se faz presente em 17 cidades do Estado. “Durante duas décadas, não houve expansão, mas essa realidade mudou com o governo federal mais próximo do Estado”, reconheceu o reitor da UERN, professor Milton Marques. Com 4 campi: Natal, Pau dos Ferros, Patu e Caicó, a UERN conta com 26 cursos de graduação, 24 cursos de especialização e 7 cursos de mestrados. “Temos propostas aprovadas para mais 5 mestrados e 2 doutorados”, anunciou o reitor.

AVALIAÇÃO – O secretário de educação do ensino superior do MEC, Amaro Henrique Lins, considerou que o Rio Grande do Norte foi um dos estados que “melhor soube aproveitar a expansão da educação superior, aliando crescimento com qualidade”. Para ele, a expansão registrada nos últimos anos, aliada a distribuição de renda, reflete o processo de desenvolvimento do país. “Esse momento de articulação entre as instituições e a sociedade fortalece o processo”, considerou, ressaltando que o quadro da educação superior no país nos últimos 10 anos tem sido promissor e positivo. “Os resultados já estão já começam a refletir no desenvolvimento social”, frisou, citando como exemplo, os Institutos Federais que de 140 unidades em 2002, chegará a 562 unidades até 2014, totalizando mais de 600 mil alunos matriculados. 


Matéria feita com colaboração do jornalista Passos Júnior


Nenhum comentário:

Postar um comentário