domingo, 24 de março de 2013

Aposta no Turismo: Carnaval de Macau se consolida como um dos maiores do Nordeste

Carnaval leva para Macau milhares de foliões
Matéria publicada na edição deste mês da Revista Foco

O sucesso alcançado no Carnaval de Macau neste ano de 2013, com centenas de milhares de pessoas pulando felizes nas ruas, deve ser visto como a integração perfeita entre a cultura de um povo, a capacidade empreendedora nas áreas pública e privada, e a ousadia de não temer ser grande.

Macau fez o maior carnaval do Rio Grande do Norte porque se preparou para isso. Não estamos falando em carnaval fora de época. Estamos falando de carnaval de verdade, carnaval nos dias de carnaval. Carnaval que não concorre apenas com os esforços de municípios do Rio Grande do Norte, mas com as imensas festas de Recife, Olinda, Salvador e Rio de Janeiro.

Macau mostrou que tem os ingredientes necessários para fazer o maior carnaval. Alguns desses ingredientes podem até existir em outras partes – organização, espaço para eventos, praias, ruas, administrações municipais dispostas em investir visando o turismo. Nesse aspecto, Macau competiu com vigor, oferecendo ao visitante uma festa repleta de atrações, amplo espaço para shows, uma praia voltada para a folia, e a natural receptividade de sua gente.

Entretanto, Macau vai além desse leque de ingredientes que podem existir em outras partes. Macau tem toda uma cultura de um povo festivo e que abraça a folia com alegria e entusiasmo, a qualquer hora do dia ou da noite, sem mostrar cansaço. Povo que abraça a todos, independente de onde o visitante seja e de suas condições financeiras.

Macau tem um carnaval próprio, pode até trazer atrações de fora, como aconteceu em 2013, mas o estilo não é importado. É “made in” Macau. O “Mela-Mela” é um desses componentes que só se vê no Carnaval de Macau. Começou como uma ação espontânea dos foliões, virou referência, está mais estruturado, mas continua sendo uma coisa própria do povo.
A cidade ficou pequena para a multidão
Numa atitude corajosa e empreendedora, a prefeitura de Macau fez em 2013 o maior Carnaval na cidade e o maior de todo o Estado. 

Investiu o dinheiro público na verdadeira festa do povo. Garantiu, com isso, não apenas a felicidade de sua gente, mas a consolidação de Macau como o principal destino do Rio Grande do Norte nos dias de carnaval.

O investimento público garantiu também o desenvolvimento econômico, mais geração de renda, e milhares de visitantes de várias partes do Rio Grande do Norte e da região Nordeste. O nome para isso é turismo, é progresso que chega pelo contagioso festejo das ruas, a cidade e as pessoas que nela vivem.

Macau definitivamente não é mais a cidade “do já teve”. Macau é a cidade da alegria, do maior carnaval do Rio Grande do Norte. A cidade do visitante que entra no “Mela-Mela”, vibra com Ricardo Chaves, curte a música de Péricles, pula com Grafith, aluga solidariamente casas de famílias, ocupa pousadas e hotéis, enche os restaurantes, compra nos supermercados e comércio local. Visitante que vai embora, deixa dinheiro na cidade, e já marca, no mínimo, um retorno certo: no próximo carnaval, em 2014.

Profissionalização com pesquisas de opinião

A profissionalização do Carnaval de Macau, característica que precisa existir e não atrapalhar a espontaneidade e o improviso, requer conhecer o que pensa o folião, o que pensa o turista.

96,8% gostaram do Carnaval de Macau
A empresa Smart Pesquisa de Opinião, localizada em Natal, pesquisou o sentimento dos foliões durante o Carnaval de Macau. Entre os dias 11 e 12 de fevereiro, pesquisadores da Smart ouviram 501 pessoas sobre o Carnaval na cidade de Macau. A pesquisa tem margem de erro de 4,4%.

O Carnaval de Macau agradou a 96,8% das pessoas entrevistadas pela Smart. 67,86% (340) afirmaram que gostaram do carnaval; e 28,94% (145) disseram que o Carnaval de Macau surpreendeu positivamente. Apenas 1,8% (9) informaram que não gostaram; e 1,4% (7) dos entrevistados não responderam.

A pesquisa pediu às pessoas que dessem nota de 0 a 10 ao Carnaval de Macau. Resultado: mais da metade dos entrevistados deu nota 10. No geral, o Carnaval de Macau alcançou a média 9,0 junto aos foliões.

O prefeito e a massa humana: Macau é forte
O prefeito Kerginaldo Pinto, um dos grandes responsáveis pelo êxito do evento, vê o Carnaval de Macau como uma festa democrática sem preconceito de estilos e capaz de movimentar a economia da cidade.

“Nosso objetivo é agradar a todos os públicos, com uma programação diversificada, mostrando que o carnaval de Macau é uma festa democrática, sem preconceito de estilos. Dessa forma, conseguimos atrair um maior público para a cidade durante o carnaval e ajudamos a movimentar a economia, gerando renda e emprego”, afirmou Kerginaldo Pinto.

Os pesquisadores da Smart procuraram saber quais aspectos agradaram mais aos foliões. Entre os pontos positivos apontados destaques para: o “Mela-Mela” com 18,56% das citações (93); Segurança, com 15,17% das citações (76); Festas gratuitas nas ruas, com 12,57% (63); Atrações musicais, com 6,19% (31); Praia, com 4,79% (24); Alegria/Animação/Folia, com 3,79% (19); Organização, com 3,79% (19); e Limpeza, com 2,4% das citações (12).

92,81% pretendem voltar em 2014
Foliões satisfeitos e empolgados, avaliação positiva, e o desejo de retornar no ano de 2014. A pesquisa Smart ouviu as pessoas sobre o interesse em voltar para Macau no Carnaval de 2014.

92,81% dos entrevistados demonstraram interesse em voltar para Macau no Carnaval de 2014. 3,79% não quiseram responder, e apenas 3,39% disseram que não voltarão.

A pesquisa Smart quis saber também se os foliões recomendariam a outras pessoas o Carnaval de Macau. 96,41% das pessoas entrevistadas afirmaram que recomendarão o Carnaval de Macau a seus amigos e familiares. Apenas 3,39% disseram que não recomendarão, e 0,20% preferiram não responder.

O diretor da Smart Pesquisa de Opinião, sociólogo Tadeu Oliveira, disse que o Carnaval de Macau está se consolidando como um forte produto do segmento turístico regional, inicialmente voltado para o mercado do Rio Grande do Norte.

“Com a presença de um grande número de foliões, o Carnaval de Macau abre mercado para os setores de gastronomia, telefonia, hospedagem e bebidas, entre outros. Macau pode ainda, com a força de seu carnaval, viabilizar outros eventos de massa com rentabilidade econômica. Não se pode mais administrar turismo sem planejamento, sem estrutura, de forma amadora e pensando pequeno, tem que se agir profissionalmente”, afirmou o sociólogo.

Os foliões do Carnaval de Macau, segundo a pesquisa Smart, vieram de várias partes do Rio Grande do Norte e de estados nordestinos. 61,87% dos entrevistados são de Natal; 7,57% da própria cidade de Macau; 6,58% de Mossoró; 3,18% de Fortaleza; 2,4% de João Câmara; 2% de Recife; 1,8% de Parnamirim; 1,6% de Pendências; 1,4% de Pendências; 1,4% de Alto do Rodrigues; 1,4% de Ipanguaçu. Estes são os municípios de origem com maior presença no Carnaval de Macau.

Grafith e a massa humana: Macau é empolgante
O que já era grande, em 2013 ficou maior. A pesquisa Smart constatou que o Carnaval de Macau atraiu muitas pessoas que no carnaval de 2012 estavam em outro lugar.

55,48% dos entrevistados disseram que passaram o carnaval de 2012 em Macau; 16,55% disseram que passaram em Natal; 2,55% disseram que passaram em Pendências; 2% em Touros; 1,6% em Fortaleza; 1,6% em Recife; 1,4% em Maxaranguape; 1,6% em Recife; e 1,4% em Barra de Maxaranguape.

75.45% dos foliões afirmaram que já estiveram outras vezes no Carnaval de Macau, e 24,55% disseram que estavam pela primeira vez participando da festa.

A pesquisa Smart também quis saber como os foliões viram o preço dos produtos no comércio local. 14,37% dos entrevistados acharam os preços ótimos; 24,35% acharam bom; 22,55% acharam regular; 8,38% acharam ruim; e 28,35% acharam péssimo.

O Bizu foi a grande mídia: Macau é povo
A pesquisa também comprovou que a melhor mídia que existe é o bizu, o boca-boca, a conversa que passa de pessoa para pessoa. Esse tipo de mídia prevalece, não faz fanfarra, não tem factóide, e não custa nada, é espontânea. É forte porque tem algo que nenhuma outra mídia tem, o testemunho pessoal. Quem participa do Carnaval de Macau e gosta, e se empolga, quando chega em sua cidade conta a outras pessoas e, pelo testemunho pessoal, convence.

47,5% das pessoas afirmaram que tomaram conhecimento do Carnaval de Macau por meio de amigos e familiares; 25,75% disseram já conhecer o evento; 10,78% pela televisão; apenas 3,39% pelas redes sociais; 2,2% pelo rádio; 0,6% por panfleto e outdoor/ e apenas 0,4% por jornais.

Avaliação da estrutura e das atrações musicais

35,33% dos foliões consideraram ótimas as atrações musicais do Carnaval de Macau; 44,91% consideram boas; 15,56% consideraram regulares; 1,0% consideraram ruins; e 2,0% consideraram péssimas.

O serviço de limpeza durante o Carnaval de Macau foi considerado ótimo por 36,13% dos entrevistados; 44,31% consideraram bom; 13,57% consideraram regular; 2,2% consideraram ruim; e 3,59% consideraram péssimo.

A Segurança Pública durante o Carnaval de Macau foi considerada ótima por 45,51% dos entrevistados; 43,11% consideraram boa; 8,38% consideraram regular; 1,0% consideraram ruim; e 1,2% consideraram péssima.

A infraestrutura do Carnaval de Macau foi considerada ótima por 44,91% dos entrevistados; 47,7% consideraram boa; 5,79% consideraram regular; 0,4% consideraram ruim; e 0,6% consideraram péssima.

Festa o tempo todo: Macau é envolvente
A permanência dos foliões

Segundo a pesquisa Smart, os foliões permaneceram na cidade, em média durante o carnaval, quatro dias. Tiveram um gasto médio, no período, de R$ 474,98. Quase a metade dos foliões, 44,91%, afirmou estar hospedado em casa de familiares ou amigos; 35,53% disseram estar em residência alugada; 13,77% disseram moram em Macau; 3,59% disseram estar indo e vindo para seus municípios de origem; e 2,2% afirmaram estar em pousada ou hotel.

Perfil dos entrevistados

Os 501 entrevistados da pesquisa Smart estão divididos entre 57,49% do sexo masculino e 42,51% do sexo feminino. 50,10% estão na faixa etária de 30 a 59 anos; 38,92% estão na faixa de 19 a 29 anos; 7,78% estão na faixa de idade até 18 anos; e 3,20% na faixa superior a 59 anos. 51,10% possuem o Ensino Médio; 28,14% possuem o Ensino Fundamental; e 1,20% não possuem instrução.

39,52% são funcionários de empresas privadas; 22,16% são autônomos; 20,36% são estudantes ou desempregados; 10,98% são funcionários públicos; 3,59 são aposentados/pensionistas; e 3,39% são empresários. 45,11% têm renda mensal entre 1 e 3 salários mínimos; 31,74% têm renda mensal de até 1 salário mínimo; 14,17% têm renda entre 3 e 5 salários mínimos; 5,19% com renda acima de 20 salários mínimos; e 3,79% não quiseram responder.

A visão do comércio

O empresário Jorge Luiz de Medeiros, proprietário de supermercados da Rede Mais em Macau e também em Natal, afirma que o período de carnaval de 2013 foi o melhor para o comércio. “Estou em Macau, com a Rede Mais, há 06 anos e agora no Carnaval de 2013 foi o melhor período”, afirma.

Jorge de Medeiros: aumento nas vendas
Para Jorge de Medeiros, o investimento feito pela Prefeitura de Macau para manter viva a grande festa do povo do município foi determinante para o sucesso e para o aumento na geração de renda e no movimento do comércio. “O investimento da Prefeitura foi altamente importante e o resultado do Carnaval muito positivo”, disse Jorge de Medeiros.

O empresário Jorge de Medeiros fala na geração de empregos e no saldo positivo para a cidade com o carnaval forte. “O carnaval criou mais empregos, gerou renda, e o comércio teve saldo positivo. Tivemos um aumento de 20% nas vendas com relação ao carnaval de 2012”, ressaltou o dono da Rede Mais em Macau.

Carnaval com forte estrutura e atrações

Iniciado às 22h da quinta-feira, 7 de fevereiro, com Arrastão pelas ruas do conjunto da Cohab, o Carnaval de Macau prosseguiu a noite da quarta-feira (13) com o Pagode sem Compromisso.

Com animação em vários pontos da cidade, Macau conseguiu manter o folião sempre em ação. Arrastão com trios elétricos pelas ruas da cidade; Carnaval na Praça Dinarte Mariz; Campeonato de Blocos no Ginásio Virgílio Barbosa; Carnaval na Praia de Camapum; Mela-Mela pelas ruas da Cidade; Frevo na Praça da Conceição; Cordão da Fantasia com orquestra de frevo pelas ruas da Cidade; e shows no Largo Cultural de Eventos Mestre Avelino – atrações múltiplas em todas as partes.

Ricardo Chaves e a massa: Macau de vários estilos
Carnaval de vários estilos com atrações como Banda Grafith, Ricardo Chaves, Péricles, Banda Feras, Banda Tribala, Rayneri e Banda, Marreta é Massa, Orquestra Harmonia do Frevo, Saia Rodada Elétrica, Neto Araujo e Banda Mar de Doçura, Kabaço Molhado Elétrico, Me Leva, Aballogueto, Banda Brinkantes, Phaphirô, Banda Axé Mais, Radiola de Ficha.


Isaias Oliveira, Revista Foco/AnoteRN.

Nenhum comentário:

Postar um comentário