quarta-feira, 3 de abril de 2013

40 horas de Angicos: Calazans Fernandes voltou da África disposto a trabalhar pela alfabetização dos potiguares

1962: Calazans com o presidente Kennedy
O interesse de Calazans Fernandes pela alfabetização despertou fortemente em viagem que fez a África para fazer cobertura jornalística. Na África, Calazans viu um método educacional que os franceses estavam implantando. Gostou muito do que viu e decidiu não medir esforços para implantar um método com peculiaridades próprias do Nordeste para alfabetização dos potiguares.

Ao assumir o comando da Secretaria de Educação do RN, aos 25 anos de idade, concluiu que era o momento para seu grande objetivo. Procurou Aluízio Alves, expôs sua intenção, e recebeu o aval para ir em frente. Sabedor das idéias de Paulo Freire, procurou o educador em Pernambuco, e convenceu-o a fazer a grande experiência de seu Método em Angicos. Foi atrás de verba nos Estados Unidos e conseguiu apoio financeiro do programa "Aliança para o Progresso".

Estas informações estão em entrevista dada a Tribuna do Norte pelo próprio Calazans Fernandes em maio de 2003, ano em que foi homenageado pela Assembleia Legislativa, junto com ex-alunos das 40 horas de Angicos, monitores e governantes. A homenagem da Assembleia teve a iniciativa do deputado Fernando Mineiro.

"Calazans Fernandes fez um dos programas mais ousados de Educação no Estado, até hoje", disse à Tribuna do Norte, o ex-secretário de Educação do RN, Marcos Guerra.

O projeto tinha três frentes básicas e fundamentais - formação de professor, construção de escolas e alfabetização de jovens e adultos. A frente de alfabetização, no que toca a experiência de Angicos, recebeu a coordenação, à pedido de Paulo Freire, do então presidente da União Estadual de Estudantes, Marcos Guerra.

O Método de Paulo Freire tinha a capacidade inventiva e prática de fazer com que, por somente 36 dólares por pessoa, jovens e adultos viessem a aprender a ler e a escrever em apenas 40 horas.

Para o jornalista e escritor Sanderson Negreiros, Calazans Fernandes fazia parte de uma das últimas gerações de grandes homens públicos do Rio Grande do Norte.

"Ele tinha o espírito inquieto e, já no começo da maturidade, queria realizar um grande projeto para o RN. Empolgou-se com o Método Paulo Freire e fez um trabalho extraordinariamente pioneiro desse método no Brasil. Construiu em torno dele uma verdadeira geração de jovens que se apaixonaram pela ideia desse programa", disse Sanderson Negreiros.
Calazans faz palestra no Rio de Janeiro
O jornalista e hoje deputado estadual, Agnelo Alves, acredita que o talento jornalístico de Calazans foi também importante na hora de conseguir os tão necessários recursos para o financiamento das obras de educação do RN.

"Calazans Fernandes faz parte da história do Rio Grande do Norte e do círculo do governo Aluízio Alves. Coube a ele interagir e concluir as negociações com a Aliança para o Progresso, principalmente no que compete à educação. Ele intermediou o encontro de Aluízio com o então presidente Kennedy e usou de todo o prestígio que tinha como secretário e como repórter e jornalista para isso", lembrou Agnelo.

Este texto tem como base matéria da Tribuna do Norte, do dia 28 de janeiro de 2010, da repórter Priscila Castro, um dia após o falecimento de Calazans Fernandes, com 81 anos de idade, em Itapecirica da Serra, São Paulo.


Leia também: O homem que convenceu Aluizio Alves e o presidente John Kennedy sobre o projeto de Paulo Freire.


Um comentário:

  1. Raimundo Johnson3 de abril de 2013 14:24

    O Rio Grande do Norte, precisa de mais Calazans...

    ResponderExcluir