segunda-feira, 20 de maio de 2013

Cisternas garantem armazenamento e consumo de água em comunidade rural do Alto Oeste do RN

A aposentada Maria Sombra, 66 anos, já não precisa desembolsar um centavo da sua aposentadoria para comprar água. Moradora da comunidade Sítio Cidade, no município de São Miguel, na região do Alto Oeste do RN, ela conta que estava comprando "um tambor de água", de 200 litros por R$ 13,00, a cada 15 dias. Agora, tem em casa uma cisterna, recentemente construída, com capacidade para armazenar 16 mil litros de água, que está "quase cheia", diz satisfeita.
Maria Sombra: "cisterna quase cheia"

A dona de casa Antônia Campos Estevão, 44, também se diz aliviada. "Passamos um ano vivendo somente do (dinheiro) Bolsa Família", conta. Sem chuvas, o marido não teve o que colher e nem vender na feira do município. "O que ele plantou, perdeu tudo", lamenta a dona de casa. Assim como a aposentada Maria Sombra, ela também comprava água para o consumo doméstico.

As duas mulheres estavam entre as muitas famílias que no início deste mês participaram da missa em ação de graças pela construção de 1.308 cisternas na região do Alto Oeste Potiguar e pelas chuvas que caíram na região, suficientes para encher muitos reservatórios

O secretário estadual de Trabalho e Assistência Social, Luiz Eduardo Carneiro, responsável pelo convênio com o Ministério do Desenvolvimento Social (MDS) para a execução do Programa Nacional de Cisternas no Rio Grande do Norte, disse que um novo convênio, no valor de R$ 33 milhões, também com o MDS, já foi formalizado e possibilitará a construção de outros 7.000 reservatórios em todo o estado. "Neste novo convênio teremos, inclusive, tanques para produção de alimentos e criação de animais ", informou o secretário.

As cisternas construídas no Alto Oeste já estão enumeradas e inseridas no Sistema Integrado de Informações (SIG) do Ministério do Desenvolvimento Social. Um representante do Ministério, o coordenador do programa Água para Todos, Igor Arkys, também veio ao estado para participar da entrega oficial dos reservatórios. "Sabemos que não se combate a estiagem, mas precisamos adotar ações permanentes de convivência com o Semiárido e o programa de cisternas é uma delas", disse Igor.

Cisternas de 16.000 litros
O Programa Nacional de Cisternas é executado numa parceria entre o Governo do Estado, através da Secretaria de Estado do Trabalho e da Assistência Social (Sethas), e o Ministério do Desenvolvimento Social. Até o final de junho serão construídos 3.100 reservatórios em 47 municípios potiguares. As obras de construção são realizadas pelo Serviço de Apoio aos Projetos Alternativos Comunitários (Seapac), instituição que venceu a licitação realizada pela Sethas no ano passado.

Já finalizado no Alto Oeste, o programa começou a ser executado nos municípios de Antônio Martins, Almino Afonso, João Dias, Patu, Janduis e Frutuoso Gomes – na região do Médio Oeste Potiguar – e São Miguel do Gostoso, Touros, Taipu, Poço Branco, Bento Fernandes e Ielmo Marinho – na região do Mato Grande.

Nenhum comentário:

Postar um comentário