Pular para o conteúdo principal

Pacto Nacional pela Alfabetização segue Paulo Freire e Moacir de Lucena com 50 anos de atraso

Os chamados métodos didáticos modernos, que nada mais são do que a tentativa de sequência do trabalho desenvolvido por Paulo Freire e Moacir de Lucena no sertão do Rio Grande do Norte nas décadas de 50 e 60, apontam para uma alfabetização que vá além do insuficiente processo de codificação e decodificação de letras.
Freire e Lucena: copiados pelo Pacto

A alfabetização, já diziam Paulo Freire e Moacir de Lucena, deve ser pautada pela leitura de textos próximos da realidade cultural da criança.

“É preciso alfabetizar com o uso real da linguagem que está próxima à vida concreta do aluno”, observa Marcelo Fabiano Rodrigues Pereira, da Secretaria de Educação do Distrito Federal. 


Marcelo Pereira é responsável pela formação de 25 professores do último ano do ciclo de alfabetização. Ele participa do curso de formação continuada para a implantação do Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa, oferecido pela Universidade de Brasília (UnB).

O objetivo do Pacto, firmado por todas as unidades da Federação e por 5.393 municípios, é assegurar que todas as crianças brasileiras tenham proficiência em língua portuguesa e em matemática até os 8 anos de idade.

Em todo o Brasil, 38 universidades públicas, parceiras no pacto, vão oferecer cursos de formação a 16.814 docentes orientadores, que atuarão com os professores em classes de alfabetização.

Marcelo Pereira também vê o Pacto evidenciando os direitos de aprendizagem para as crianças de 6 a 8 anos de idade. “Antes, essas metas não estavam claras. O pacto amarra isso, deixa esses direitos de aprendizagem muito bem estabelecidos”, afirma.

É lógico que existe uma forte dose de ingenuidade, produto talvez do entusiasmo, do professor Pereira, do Distrito Federal. O esforço de agora, que ainda não mostrou a sua cara, não tem nada de novo e vem, como de costume, com um atraso de 50 anos.

O Brasil tem o triste testemunho de conviver com tranquilidade com uma imensa nação formada por milhões de analfabetos.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

UFRN: Professora Selma Jerônimo recebe prêmio da Universidade de Iowa nos Estados Unidos

Trabalho de pesquisas desenvolvido pela professora Selma Jerônimo, da  Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN) na área de saúde pública, foi contemplado com o prêmio internacional Impact Award, concedido pela Universidade de Iowa, dos Estados Unidos. O prêmio é destinado à profissionais ou às instituições que colaboram com a Universidade de Iowa na construção de conhecimentos voltados para programas sociais que melhorem a vida das pessoas. Professora Selma Jerônimo A pesquisadora Selma Jerônimo, diretora do Instituto de Medicina Tropical da UFRN, é parceira da Universidade de Iowa desde o ano de 1996. Ela lembra a importância que está tendo o conhecimento gerado no próprio Instituto, na Escola Maternidade Januário Cicco, no Centro de Biologia da UFRN e no Departamento de Infectologia do Hospital Gizelda Trigueiro, para melhorar a vida das pessoas no Rio Grande do Norte. “A contribuição diária do IMT, MJEC, CB e do Departamento de Infectologia do HGT quebra o cic

Moacir de Lucena: o semeador de escolas

Moacir de Lucena e família em solenidade da UFRN (outubro de 2003) Matéria publicada na edição de novembro da Revista Foco English version Professor, tipógrafo, juiz, advogado, músico, jornaleiro, poeta, normalista, chefe escoteiro, esportista, animador cultural, educador itinerante.  Em sua trajetória de 100 anos de vida pelo Rio Grande do Norte, o oestano filho de Martins, Moacir de Lucena, procurou ser, acima de tudo, um servidor na luta pelo progresso social das pessoas. Desde cedo entendeu que esse progresso social só chegaria pela via da Educação.  Neste campo, de forma inovadora criou um método próprio de alfabetização com resultados concretos junto aos estudantes. Método que depois foi empregado com estardalhaço por Paulo Freire. Mas, Moacir de Lucena chegou antes, sem estardalhaço, sem propaganda, mas com a luminosidade das coisas feitas e da transformação extraordinária do analfabeto em alfabetizado. Entre as tentativas de definir Moacir de Lucena, seu filho L

7º SEL: UFRN prepara grande evento de Educação e Leitura para novembro

Reunião com a reitora sobre o 7º  SEL Matéria atualizada às 12h30 desta quinta-feira (2) Estão adiantados os preparativos para o 7º Seminário Educação e Leitura da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), um dos maiores eventos no gênero no país. O 7º Seminário Educação e Leitura (SEL) acontece de 11 a 14 de novembro no Centro de Convenções do Praiamar Natal Hotel, em Ponta Negra, e deverá reunir mais de 1.000 participantes de todas as regiões do Rio Grande do Norte e de várias partes do Brasil. Em reunião ocorrida na manhã desta quinta-feira (2) a reitora da UFRN, Ângela Paiva garantiu total apoio ao evento. Participaram da reunião no gabinete da reitoria, a professora Marly Amarilha, a diretora do Centro de Educação da UFRN, Márcia Gurgel, e a professora Ângela Naschold, da equipe de organização do Seminário. As inscrições estão abertas a partir desta quarta-feira (01) para ouvintes e para apresentação de trabalho ou oferta de minicurso.  Equipe do Se