sexta-feira, 31 de maio de 2013

Projeto da UFRN "Um Robô por Aluno" deve ser implantado em todas as escolas brasileiras

Pesquisadores da UFRN desenvolveram robôs a custo baixíssimo
Iniciativa de pesquisadores do Laboratório NatalNet da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN) tem tudo para tornar um sonho, tido como impossível, em realidade para os estudantes das escolas brasileiras.

O projeto "Um Robô por Aluno" permitirá a montagem pelos próprios estudantes, com um baixíssimo custo, de robôs que poderão vir a auxiliá-los no estudo de disciplinas curriculares.

Os pesquisadores do NatalNet têm estudado maneiras de fazer com que a robótica educacional tenha maior abrangência e venha a difundir o interesse por tecnologias em todos os níveis de ensino.


Projeto viabiliza um robô por aluno
Diante dos avanços e êxitos obtidos, os pesquisadores buscam levar o projeto de construção de robôs a todas as escolas do país.

"A facilidade de construção dos robôs é grande. Os professores passarão por um treinamento e poderão trabalhar com as turmas, adaptando as dificuldades do sistema para cada nível de ensino", afirmou o coordenador do NatalNet, Luiz Marcos Garcia Gonçalves.

O baixo custo do material utilizado na construção dos robôs permitirá que a técnica venha a ser popularizada. Um kit de robótica, atualmente, é comercializado por valores acima de R$ 1 mil, o que inviabiliza a difusão da tecnologia.

Alunos de Natal, Mossoró e Caicó já começaram a criar seus robôs. "É muito gratificante trabalhar com crianças e jovens, e saber que a gente pode mudar a realidade de um estudante ao incentivar o interesse pela robótica", diz Aquiles Medeiros Filgueira Burlamaqui, professor da Escola de Ciências e Tecnologia da UFRN.


Réplicas podem ser feitas em 2 horas
O aluno do curso de Bacharelado em Ciências e Tecnologia da UFRN, Diogo Felipe Silva Costa, que tem participado dos testes para construção de robôs de baixo custo diz que as réplicas podem ser feitas em até duas horas. "É só aprender o passo a passo", conta.

O responsável pela fabricação das placas eletrônicas dos robôs é o estudante de Bacharelado em Ciências e Tecnologia da UFRN, Gabriel Tojal Gadelha de Freitas. Ele informa que a placa eletrônica é a única parte do robô que deve ser enviada pronta para as escolas. "É um processo manual, que utiliza solda, talvez até um pouco complexo para uma criança conseguir fazer", explica.

Um comentário:

  1. QUE MASSA BEM LEGAL MESMO EU FIZ UM DESSES SO QUE NUN FICOU IGUAL MAS DEU PRA VER E BEM MASSA

    ResponderExcluir