sexta-feira, 10 de maio de 2013

Ufersa de Caraúbas pode ser ampliada com implantação do Parque Tecnológico do Oeste

Reunião no gabinete de Henrique Alves

Matéria atualizada às 16h03 desta sexta-feira (10)

A verdadeira cidade universitária da Ufersa (Universidade Federal Rural do Semi-Árido) de Caraúbas pode se tornar ainda maior. A Ufersa de Caraúbas caminha para ganhar o Parque Tecnológico do Médio Oeste do Rio Grande do Norte. 

A criação do Parque Tecnológico em Caraúbas começou a ser definida em reunião, na quinta-feira (9), no gabinete do presidente da Câmara Federal, deputado Henrique Alves, em Brasília, com as presenças dos ministros da Ciência e Tecnologia, Marco Antônio Raupp, e da Previdência Social, Garibaldi Filho, do reitor da Ufersa, José de Arimateia, e dos prefeitos de Caraúbas, Ademar Ferreira, e de Felipe Guerra, Haroldo Ferreira.

A idéia, segundo o reitor da Ufersa, é fazer de Caraúbas um centro de produção científica e tecnológica seguindo o exemplo de Campina Grande, na Paraíba. Inicialmente seriam construídos três módulos de 1.500 m² , cada um, para abrigar até 20 empresas por módulo.

Os empreendimentos serão especializados nas áreas de tecnologia da informação, automação e hardware. A implantação do parque tecnológico, numa área de 20.000 m² doada pelo empresário local Ademos Ferreira Júnior, está orçada em R$ 11 milhões.

Para dar suporte à estrutura que vai abrigar os novos empreendimentos de base tecnológica, a Ufersa deverá implantar mais três cursos de engenharia em Caraúbas. Além das engenharias elétrica e mecânica, já em funcionamento, estão previstos os cursos de engenharia civil, automação e controle e telecomunicações. O campus central, em Mossoró, e as unidades de Angicos e Pau dos Ferros, além dos Institutos Federais espalhados pela região, poderão participar do parque tecnológico de Caraúbas.


Dentro do Projeto do Parque Tecnológico também será criado o Centro Vocacional Tecnológico – o CVT, que funcionará como unidades de ensino profissionalizante voltado para o acesso do conhecimento científico e tecnológico. “Já temos o NIT – Núcleo de Inovação Tecnológica, e a criação do CVT, num primeiro momento, abrirá caminho para o Parque Tecnológico de Caraúbas. Nossa perspectiva é de que a Ufersa venha a comandar uma rede processo tecnológico”, disse o reitor José de Arimateia.

Marco Antônio Raupp pediu para que a apresentação do projeto fosse formalizada no Ministério da Ciência e Tecnologia e apontou os caminhos para captação de recursos para Ufersa em Caraúbas. São emendas parlamentares e fundos setoriais, além de concorrência no edital de R$ 100 milhões que será lançado pelo Ministério da Ciência e Tecnologia no próximo mês.

Nenhum comentário:

Postar um comentário