sábado, 20 de julho de 2013

Anote Brasil: Justiça manda Pernambuco devolver "Catita" ao Rio Grande do Norte

Vitória na Ação Civil Pública ajuizada pelo Governo do Rio Grande do Norte e o Ministério Público Estadual contra o estado de Pernambuco garante a devolução da Locomotiva "Catita".

A locomotiva inglesa "Catita" foi adquirida pela Estrada de Ferro Central do RN em 1906 e está ligada a construção da ponte sobre o Rio Potengi. Em 1975, a locomotiva foi levada para Recife para ornamentar a sede da Rede Ferroviária Federal, onde se encontra até hoje. 

Para reaver a "Catita", o Governo do Rio Grande do Norte  ingressou no processo ajuizado pelo MP por entender que a locomotiva possui grande importância histórica e cultural para o estado.
A "Catita" é coisa do RN
A Juíza Federal da 4ª. Vara da Seção Judiciária do Rio Grande do Norte, Gisele Araújo Leite, atendeu o pedido da Procuradoria Geral do Estado e proferiu sentença reconhecendo que a "Catita" é patrimônio cultural do Rio Grande do Norte e determinando seu retorno ao estado.

Pernambuco foi ordenado a devolver a "Catita" ao RN em 90 dias, contados da intimação da sentença. O transporte da locomotiva para Natal fica sob responsabilidade do governo pernambucano.

A locomotiva será exposta na Ribeira, no antigo prédio da Rede Ferroviária Federal, em Natal,  que está sendo recuperado pelo Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte (IFRN).

A Locomotiva "Catita"

A "Catita" é uma locomotiva férrea inglesa de pequeno porte adquirida pela Estrada de Ferro Central do RN em 1906. 

Em 1916, a locomotiva conduziu  importantes figuras do cenário potiguar como Joaquim Ferreira Chaves, Januário Cicco, Henrique Castriciano e Juvenal Lamartine, durante os eventos de inauguração da Ponte de Igapó, considerada, à época, a maior obra ferroviária da Região Nordeste.

Cinquenta anos depois, a Rede Ferroviária Federal autorizou que 26 locomotivas a vapor usadas fossem vendidas para o ferro velho. Quando a comissão pernambucana designada para este fim veio ao RN e reclamou que só havia 25 locomotivas, descobriu que a ausente era justamente a Catita, escondida pelos empregados da empresa para evitar que virasse sucata.

Assim, a Catita ficou aos cuidados do Sr. Manoel Tomé de Souza, o Sr. Manoezinho, que a deixou em condições de trafegar novamente.

Mais tarde, para atender à crescente demanda rodoviária, o governo do RN, na gestão de Walfredo Gurgel, firmou parceria com a Rede Ferroviária Federal para a construção de uma nova ponte sobre o estuário do Potengi, a Ponte Presidente Costa e Silva, mais conhecida como a “Nova Ponte de Igapó”, a primeira de concreto em Natal, inaugurada em 26 de setembro de 1970.

Para esta ocasião, a Catita foi restaurada a fim de fazer o percurso, pela segunda vez em sua existência, de inauguração da nova ponte, assim como o fizera 54 anos antes.

Mais uma vez, transportou importantes personalidades como o Monsenhor Walfredo Gurgel e o General Duque Estrada.

Em 1975, Catita foi levada para Recife, para decorar o escritório regional da RFFSA. De lá, seguiu para o Museu do Trem, também na capital pernambucana, onde se encontra até o momento.

Nenhum comentário:

Postar um comentário