Pular para o conteúdo principal

Medicina tem dono? Tem pátria?

Por Tadeu Oliveira

O povo brasileiro não pode entrar na onda do radicalismo de uma minoria privilegiada que estudou em universidades públicas pagas com recursos do contribuinte e agora quer ditar regras sobre a saúde pública. 

Como se tivessem investidos da autoridade única da sabedoria de curar, os médicos estão usando de tudo para evitar que outros profissionais do segmento trabalhem junto às comunidades carentes, locais onde eles mesmos não querem estar, nem muito menos trabalhar.
Cubanos chegam ao Brasil

Sem ética, sem respeito aos companheiros de outras nacionalidades e sem respeito à classe trabalhadora do país.

Vejo em manchete de jornais alguns jovens vestidos de branco vaiando outros médicos, principalmente os cubanos. 

Não acredito que as vaias cheguem daqueles que, durante a ditadura militar, usaram camisas de Che Guevara. Daqueles que aplaudiram a revolução de Cuba, uma ilha cheia de talento e de um povo sofrido que amargou boicote por parte dos Estados Unidos. 

O povo brasileiro precisa saber que Cuba pode exportar profissionais do segmento da Saúde porque lá tem experiente setor de saúde pública e trabalhadores qualificados. 

Deixo o julgamento para o leitor, imagine se os nossos craques do futebol fossem recepcionados com vaias e proibidos do jogar em outros países... e se Cuba evitasse tese de pós-graduação para pesquisador brasileiro...

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

UFRN: Professora Selma Jerônimo recebe prêmio da Universidade de Iowa nos Estados Unidos

Trabalho de pesquisas desenvolvido pela professora Selma Jerônimo, da  Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN) na área de saúde pública, foi contemplado com o prêmio internacional Impact Award, concedido pela Universidade de Iowa, dos Estados Unidos. O prêmio é destinado à profissionais ou às instituições que colaboram com a Universidade de Iowa na construção de conhecimentos voltados para programas sociais que melhorem a vida das pessoas. Professora Selma Jerônimo A pesquisadora Selma Jerônimo, diretora do Instituto de Medicina Tropical da UFRN, é parceira da Universidade de Iowa desde o ano de 1996. Ela lembra a importância que está tendo o conhecimento gerado no próprio Instituto, na Escola Maternidade Januário Cicco, no Centro de Biologia da UFRN e no Departamento de Infectologia do Hospital Gizelda Trigueiro, para melhorar a vida das pessoas no Rio Grande do Norte. “A contribuição diária do IMT, MJEC, CB e do Departamento de Infectologia do HGT quebra o cic

Moacir de Lucena: o semeador de escolas

Moacir de Lucena e família em solenidade da UFRN (outubro de 2003) Matéria publicada na edição de novembro da Revista Foco English version Professor, tipógrafo, juiz, advogado, músico, jornaleiro, poeta, normalista, chefe escoteiro, esportista, animador cultural, educador itinerante.  Em sua trajetória de 100 anos de vida pelo Rio Grande do Norte, o oestano filho de Martins, Moacir de Lucena, procurou ser, acima de tudo, um servidor na luta pelo progresso social das pessoas. Desde cedo entendeu que esse progresso social só chegaria pela via da Educação.  Neste campo, de forma inovadora criou um método próprio de alfabetização com resultados concretos junto aos estudantes. Método que depois foi empregado com estardalhaço por Paulo Freire. Mas, Moacir de Lucena chegou antes, sem estardalhaço, sem propaganda, mas com a luminosidade das coisas feitas e da transformação extraordinária do analfabeto em alfabetizado. Entre as tentativas de definir Moacir de Lucena, seu filho L

7º SEL: UFRN prepara grande evento de Educação e Leitura para novembro

Reunião com a reitora sobre o 7º  SEL Matéria atualizada às 12h30 desta quinta-feira (2) Estão adiantados os preparativos para o 7º Seminário Educação e Leitura da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), um dos maiores eventos no gênero no país. O 7º Seminário Educação e Leitura (SEL) acontece de 11 a 14 de novembro no Centro de Convenções do Praiamar Natal Hotel, em Ponta Negra, e deverá reunir mais de 1.000 participantes de todas as regiões do Rio Grande do Norte e de várias partes do Brasil. Em reunião ocorrida na manhã desta quinta-feira (2) a reitora da UFRN, Ângela Paiva garantiu total apoio ao evento. Participaram da reunião no gabinete da reitoria, a professora Marly Amarilha, a diretora do Centro de Educação da UFRN, Márcia Gurgel, e a professora Ângela Naschold, da equipe de organização do Seminário. As inscrições estão abertas a partir desta quarta-feira (01) para ouvintes e para apresentação de trabalho ou oferta de minicurso.  Equipe do Se