Pular para o conteúdo principal

Ufersa lança campanha para preservação das abelhas

O Centro Tecnológico de Apicultura e Meliponicultura da Universidade Federal Rural do Semi-Árido (Ufersa) está com uma campanha de alerta para a sociedade sobre um grave problema de efeitos globais: o desaparecimento das abelhas.

O lançamento da campanha de alerta para a preservação das abelhas aconteceu na quinta-feira (12) no  Campus Leste da Ufersa Mossoró. 

Lionel Gonçalves
Na oportunidade também foi lançado um manifesto em defesa das abelhas. O manifesto pode ser assinado Aqui.

Para o professor Lionel Gonçalves, coordenador do Centro Tecnológico de Apicultura e idealizador da campanha, o desaparecimento das abelhas não é fato isolado do RN, ele vem acontecendo em todo o planeta.

Segundo Lionel Gonçalves, as abelhas são responsáveis por 70% da polinização, consequentemente, pela produção de alimentos e das áreas verdes que garantem o oxigênio no planeta. “O mundo sem abelhas é um mundo sem alimentos”, definiu e alertou.

Para ser ter uma ideia da gravidade do problema, em apenas cinco anos, nos Estados Unidos, a redução de colmeias caiu de 5 para 2,5 milhões. No Brasil, o estado de Santa Catarina e a cidade de Mossoró, com a produção de maçã e melão, respectivamente, já sofrem com as consequências do desaparecimento das abelhas. O uso excessivo de agrotóxicos, principalmente a base de neonicotinoídes, é a principal causa para o desaparecimento das abelhas.

Lionel Gonçalves explica que os neonicotinóides são altamente tóxicos para os insetos, acarretando problema de memória e navegação nas abelhas. “As substâncias são absorvidas pelo sistema vascular das plantas e eliminadas através do pólen, néctar e gotas de água que as abelhas coletam”, observa o professor, acrescentando que o maior agravante é que os neonicotinóides permanecem no solo por mais de 5 anos.

A ideia da campanha, que não tem qualquer vínculo com o interesse econômico, é alertar a sociedade para a preservação das abelhas. As peças estão disponibilizadas nas versões em português e inglês (Beeor not tobe?).
Cartaz da campanha da Ufersa que repercute internacionalmente
Devido a abrangência continental a campanha foi registrada em cartório como uma iniciativa da Ufersa/Cetapis. “Solicitamos a adesão de toda a sociedade para a questão do desaparecimento das abelhas que tem consequências graves para todo o planeta”, convoca o professor Lionel.

No Nordeste,  a situação ainda é mais grave em decorrência do clima. “Devido a seca, anualmente registramos uma perda de 50% das colônias”. 

Lionel Gonçalves aponta como saída o controle biológico, em substituição ao uso dos agrotóxicos. Na primeira semana de outubro, o professor Lionel Gonçalves, mais duas doutorandas da Ufersa, vão apresentar a campanha em Kiev, capital da Ucrânia.

A questão é: por que os agrotóxicos com esse componente citado, o Neonicotinóide, ainda não foram banidos do mercado.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

UFRN: Professora Selma Jerônimo recebe prêmio da Universidade de Iowa nos Estados Unidos

Trabalho de pesquisas desenvolvido pela professora Selma Jerônimo, da  Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN) na área de saúde pública, foi contemplado com o prêmio internacional Impact Award, concedido pela Universidade de Iowa, dos Estados Unidos. O prêmio é destinado à profissionais ou às instituições que colaboram com a Universidade de Iowa na construção de conhecimentos voltados para programas sociais que melhorem a vida das pessoas. Professora Selma Jerônimo A pesquisadora Selma Jerônimo, diretora do Instituto de Medicina Tropical da UFRN, é parceira da Universidade de Iowa desde o ano de 1996. Ela lembra a importância que está tendo o conhecimento gerado no próprio Instituto, na Escola Maternidade Januário Cicco, no Centro de Biologia da UFRN e no Departamento de Infectologia do Hospital Gizelda Trigueiro, para melhorar a vida das pessoas no Rio Grande do Norte. “A contribuição diária do IMT, MJEC, CB e do Departamento de Infectologia do HGT quebra o cic

Moacir de Lucena: o semeador de escolas

Moacir de Lucena e família em solenidade da UFRN (outubro de 2003) Matéria publicada na edição de novembro da Revista Foco English version Professor, tipógrafo, juiz, advogado, músico, jornaleiro, poeta, normalista, chefe escoteiro, esportista, animador cultural, educador itinerante.  Em sua trajetória de 100 anos de vida pelo Rio Grande do Norte, o oestano filho de Martins, Moacir de Lucena, procurou ser, acima de tudo, um servidor na luta pelo progresso social das pessoas. Desde cedo entendeu que esse progresso social só chegaria pela via da Educação.  Neste campo, de forma inovadora criou um método próprio de alfabetização com resultados concretos junto aos estudantes. Método que depois foi empregado com estardalhaço por Paulo Freire. Mas, Moacir de Lucena chegou antes, sem estardalhaço, sem propaganda, mas com a luminosidade das coisas feitas e da transformação extraordinária do analfabeto em alfabetizado. Entre as tentativas de definir Moacir de Lucena, seu filho L

7º SEL: UFRN prepara grande evento de Educação e Leitura para novembro

Reunião com a reitora sobre o 7º  SEL Matéria atualizada às 12h30 desta quinta-feira (2) Estão adiantados os preparativos para o 7º Seminário Educação e Leitura da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), um dos maiores eventos no gênero no país. O 7º Seminário Educação e Leitura (SEL) acontece de 11 a 14 de novembro no Centro de Convenções do Praiamar Natal Hotel, em Ponta Negra, e deverá reunir mais de 1.000 participantes de todas as regiões do Rio Grande do Norte e de várias partes do Brasil. Em reunião ocorrida na manhã desta quinta-feira (2) a reitora da UFRN, Ângela Paiva garantiu total apoio ao evento. Participaram da reunião no gabinete da reitoria, a professora Marly Amarilha, a diretora do Centro de Educação da UFRN, Márcia Gurgel, e a professora Ângela Naschold, da equipe de organização do Seminário. As inscrições estão abertas a partir desta quarta-feira (01) para ouvintes e para apresentação de trabalho ou oferta de minicurso.  Equipe do Se