Pular para o conteúdo principal

Ufersa: Fazenda Rafael Fernandes é referência em pesquisa rural no Brasil

Estudantes pesquisam na Fazenda Rafael Fernandes
A Fazenda Rafael Fernandes da Universidade Federal Rural do Semi-Árido (Ufersa) tem se tornado referência na pesquisa rural no Brasil. Localizada na zona rural de Mossoró, na comunidade de Alagoinha, a 20 km do Campus Central da Ufersa, a fazenda conta com uma área de 416 hectares para as atividades de ensino, pesquisa e extensão.

O casarão da fazenda tem data de construção no final da década de 30, pelo Serviço de Plantas Têxteis, com recursos do Governo. “Eram terras de fomento”, lembra o pesquisador José Francismar de Medeiros, que há 14 anos realiza experimentos na localidade.

As primeiras pesquisas datam da década de 70, feitas pelo professor Jadilson Rubens de Castro, e eram voltadas para a produção de combustível (álcool), a partir do sorgo. “O experimento ocupava 20 hectares com diversas variedades da planta”, lembra o professor José Francismar que na época estudava Agronomia na Esam. 

Durante anos, o espaço ficou subutilizado, mas a partir da década de 80, o professor Paulo Sérgio, passou a utilizar a Fazenda para os seus experimentos. De lá para cá já foram realizados mais de 150 pesquisas com as mais diversas culturas como a do milho, feijão-caupi, girassol, essências florestais.

O professor Paulo Sérgio mantém nove experimentos, envolvendo estudantes de graduação e pós-graduação.Ele diz que a partir de 2000 outros professores também passaram a utilizar a Fazenda. “Além de um espaço de pesquisa, a Fazenda tem seu papel social ao disponibilizar água para as comunidades que estão em seu entrono”, afirma. São pesquisas com plantas frutíferas, hortaliças e também estudos relacionados com a salinização do solo. A Fazenda é muito utilizada para aulas práticas

O professor Paulo Sérgio acredita que com a perfuração de um segundo poço, feita no ano passado, com investimento de mais de R$ 2,2 milhões, a quantidade de experimentos aumente em decorrência da maior oferta de água. O novo poço tem capacidade para irrigar uma área de 21 hectares. “Há três anos frequento a Fazenda para obter experiência. A Universidade oferece transporte para o nosso deslocamento, assim ganhamos conhecimento profissional, realizando pesquisa de campo”, afirma a mestranda em Fitotecnia, Thaisy Gurgel.

Há oito meses, a Fazenda Experimental Rafael Fernandes é administrada pelo engenheiro agrônomo, Francisco das Chagas Gonçalves. Ele diz que a maior parte das atividades é feita por meio de projetos cadastrados na Pró-Reitoria de Extensão e Cultura. “Os professores aprovam juntos aos órgãos financiadores e colocam em prática com a participação dos bolsistas”, explica. A equipe é formada por dois agrônomos, dois auxiliares de agropecuária, um vigia e um motorista. A Fazenda dispõe ainda de um trator traçado, uma camionete e uma moto Honda, veículos que dão suporte as atividades.

A casa grande funciona como alojamento durante as atividades de ensino, pesquisa e extensão realizadas em Alagoinha. O espaço, que é climatizado, tem capacidade para abrigar ate 25 pessoas, em dormitórios com beliches e, cozinha para o preparo das refeições.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

UFRN: Professora Selma Jerônimo recebe prêmio da Universidade de Iowa nos Estados Unidos

Trabalho de pesquisas desenvolvido pela professora Selma Jerônimo, da  Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN) na área de saúde pública, foi contemplado com o prêmio internacional Impact Award, concedido pela Universidade de Iowa, dos Estados Unidos. O prêmio é destinado à profissionais ou às instituições que colaboram com a Universidade de Iowa na construção de conhecimentos voltados para programas sociais que melhorem a vida das pessoas. Professora Selma Jerônimo A pesquisadora Selma Jerônimo, diretora do Instituto de Medicina Tropical da UFRN, é parceira da Universidade de Iowa desde o ano de 1996. Ela lembra a importância que está tendo o conhecimento gerado no próprio Instituto, na Escola Maternidade Januário Cicco, no Centro de Biologia da UFRN e no Departamento de Infectologia do Hospital Gizelda Trigueiro, para melhorar a vida das pessoas no Rio Grande do Norte. “A contribuição diária do IMT, MJEC, CB e do Departamento de Infectologia do HGT quebra o cic

Moacir de Lucena: o semeador de escolas

Moacir de Lucena e família em solenidade da UFRN (outubro de 2003) Matéria publicada na edição de novembro da Revista Foco English version Professor, tipógrafo, juiz, advogado, músico, jornaleiro, poeta, normalista, chefe escoteiro, esportista, animador cultural, educador itinerante.  Em sua trajetória de 100 anos de vida pelo Rio Grande do Norte, o oestano filho de Martins, Moacir de Lucena, procurou ser, acima de tudo, um servidor na luta pelo progresso social das pessoas. Desde cedo entendeu que esse progresso social só chegaria pela via da Educação.  Neste campo, de forma inovadora criou um método próprio de alfabetização com resultados concretos junto aos estudantes. Método que depois foi empregado com estardalhaço por Paulo Freire. Mas, Moacir de Lucena chegou antes, sem estardalhaço, sem propaganda, mas com a luminosidade das coisas feitas e da transformação extraordinária do analfabeto em alfabetizado. Entre as tentativas de definir Moacir de Lucena, seu filho L

7º SEL: UFRN prepara grande evento de Educação e Leitura para novembro

Reunião com a reitora sobre o 7º  SEL Matéria atualizada às 12h30 desta quinta-feira (2) Estão adiantados os preparativos para o 7º Seminário Educação e Leitura da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), um dos maiores eventos no gênero no país. O 7º Seminário Educação e Leitura (SEL) acontece de 11 a 14 de novembro no Centro de Convenções do Praiamar Natal Hotel, em Ponta Negra, e deverá reunir mais de 1.000 participantes de todas as regiões do Rio Grande do Norte e de várias partes do Brasil. Em reunião ocorrida na manhã desta quinta-feira (2) a reitora da UFRN, Ângela Paiva garantiu total apoio ao evento. Participaram da reunião no gabinete da reitoria, a professora Marly Amarilha, a diretora do Centro de Educação da UFRN, Márcia Gurgel, e a professora Ângela Naschold, da equipe de organização do Seminário. As inscrições estão abertas a partir desta quarta-feira (01) para ouvintes e para apresentação de trabalho ou oferta de minicurso.  Equipe do Se