terça-feira, 28 de outubro de 2014

UFRN sedia mais importante evento de pesquisa em Educação do Norte e Nordeste

A Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN) sedia o 22º Encontro de Pesquisa Educacional do Norte e Nordeste (Epenn) no período de 28 a 31 deste mês, na cidade de Natal. O evento, que tem a organização do Centro de Educação e do Programa de Pós-Graduação em Educação da UFRN, é considerado o mais importante de pesquisa em Educação das regiões Norte e Nordeste e um dos maiores do país. Durante o Encontro acontece também a Reunião Científica Regional da Anped (Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Educação).

O Epenn 2014 tem como tema “Pós-Graduação em Educação do Norte e Nordeste: produção de conhecimento, assimetrias e desafios regionais”. Para a professora Alda Maria Duarte Araújo Castro, coordenadora da Pós-Graduação em Educação da UFRN, a temática do evento tem relevância porque leva em consideração os desafios estabelecidos pela realidade social das diferentes regiões do país. “Entendemos que um grande desafio da pós-graduação brasileira é a distribuição mais equilibrada entre as regiões da produção do conhecimento científico e o investimento no campo educacional nas regiões Norte e Nordeste para o desenvolvimento de programas de excelência na avaliação da Capes (Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior)”, argumenta Alda Castro.

Professora Alda Castro
A realidade atual não é das mais promissoras para as regiões Norte e Nordeste. O Sudeste sozinho concentra 53% dos cursos de pós-graduação do Brasil e reúne 83% dos cursos de pós-graduação com desempenho no nível dos mais importantes centros internacionais de ensino e pesquisa. Em outras palavras, o Sudeste tem mais da metade do bolo dos cursos de pós-graduação no país e congrega 83% do que existe de melhor na pós-graduação brasileira. Trata-se de uma alarmante disparidade regional, que não desmerece o alto rendimento do Sudeste, mas que aponta para carências nas outras regiões do país.

“Para que haja maior equilíbrio entre as regiões no campo da pós-graduação, o Brasil necessita realizar, ainda, investimentos significativos na formação de mestres e doutores em regiões como a do Norte e do Nordeste, para que se construa caminhos mais promissores para suas inserções qualificadas e, portanto, mais competitivas no país. A falta desses investimentos colocará as regiões Norte e nordeste sempre em posição subordinada em relação a outras regiões que produzem mais conhecimento e mais tecnologia e que assumem, portanto, posições hegemônicas no país”, diz Alda Castro.

O Epenn terá 10 mesas temáticas, 08 sessões especiais e 25 grupos de trabalho durante os 03 dias de realização com discussões e debates sobre o quadro educacional e de exclusão social do país. É um grande evento que terá cerca de 1.700 pesquisadores e alunos da Pós-Graduação de todos os estados do Norte e do Nordeste. Acontecerá em diversos espaços do Campus Central da UFRN: auditório da Reitoria; Centro de Ciências Sociais Aplicadas; Centro de Ciências Humanas, Letras e Artes; Instituto Metrópole Digital; e Departamento de Educação Física.

A conferência de abertura ocorre no auditório da Escola de Governo, Centro Administrativo do Governo do Estado, e será ministrada pelo professor da UFRN, Antonio Cabral Neto, que falará sobre o tema do evento.

Na visão da professora Alda Castro, o Epenn tem buscado cumprir uma função de consolidar a Pós-Graduação nas regiões Norte e Nordeste com a promoção da difusão do conhecimento e a sinalização para o compromisso da sua comunidade acadêmica na busca de superar as grandes diferenças regionais que ainda perduram.

“A pós-graduação vem se consolidando no Brasil nas últimas décadas de forma expressiva. Acompanhando essa tendência as regiões Norte e Nordeste têm assistido a uma expansão considerável da sua pós-graduação, com a criação e aprovação de novos programas. De 2006 a 2012 a pós-graduação cresceu 32,8% no Nordeste e 36,2% no Norte, (dados da Associação Nacional dos Dirigentes das Instituições Federais de Ensino Superior, 2012), mesmo assim estamos distante de acompanhar o crescimento das regiões sudeste e sul que mantém a maior quantidade de Programa de Pós-graduação do País”, afirma Alda Castro. 

A ampliação da pós-graduação, ainda aquém do necessário, tem significado para as regiões Norte e Nordeste a oportunidade de formação de profissionais de alto nível acadêmico e científico para atuarem na educação básica e superior. Significa também o fomento de estudos, pesquisas e produção do conhecimento na área da educação.

A professora Alda Castro vê as conquistas da pós-graduação chegando às escolas do Ensino Básico. “Acredito que os programas de Pós-graduação das regiões Norte e Nordeste contribuem de forma significativa para a educação básica. Os Programas têm contribuído para formar mestres e doutores que desenvolvem importantes atividades, não só em Instituições de Ensino e Pesquisa, vinculados aos programas de Pós-Graduação de diversas Universidades, notadamente da rede pública, como em setores da administração pública e nos sistemas de ensino, principalmente na educação básica. A inserção dos egressos dos Programas de Pós-Graduação nesses diferentes setores tem impactado os sistemas educacionais de diferentes formas”, completa.

Nenhum comentário:

Postar um comentário