quinta-feira, 4 de dezembro de 2014

Ufersa: Seminário procura reduzir o protagonismo dos números na Matemática

Seminário discute interdisciplinaridade da matemática
O Seminário Interdisciplinar de Matemática da Ufersa (Universidade Federal Rural do Semi-Árido), iniciado na quarta-feira (3), prossegue nesta quinta (4) com a proposta de associar a disciplina a outras ciências como a Língua Portuguesa, a Física e a Computação. O evento acontece até sexta-feira (5) no auditório Amâncio Ramalho, no Campus de Mossoró. 

Estão sendo realizadas palestras, mesas redondas e oficinas. A mesa de abertura com o tema: "Matemática, uma ciência presente na vida", teve a participação do professor Jorge Brandão, da UFC (Universidade Federal do Ceará) e dos professores da Ufersa, Ronaldo Garcia e Walter Martins. 

O professor Walter Martins acredita que é grande a distância entre o ensino acadêmico e a realidade encontrada nas salas de aula. “De um modo geral, a matemática é uma ciência muito maltratada. As pessoas não querem mais ser professores de matemática”, afirmou. Para Walter, a questão salarial e a falta de motivação são os pontos principais. “O professor tem que acreditar que o trabalho dele vai agregar valor aos estudantes, para isso é preciso que o educador trabalhe outros temas de forma transversal ao lecionar a matemática", completou Walter.

O professor convidado, Jorge Brandão, questionou a plateia sobre a necessidade e também sobre a realidade dos estudantes. Segundo ele, essas duas perguntas são fundamentais para a prática em sala de aula. Outro ponto é fazer com que os alunos entendam o significado das palavras. Para isso, Brandão exemplificou com o MMC. “Os alunos sabem o que significa as palavras Mínimo, Máximo, Comum?”. Para o professor Jorge Brandão, na matemática há muito da língua portuguesa, para descobrir, basta apenas analisar a fonética, a morfologia e a origem latina das palavras. “Os professores de matemática precisam, na sua prática em sala de aula, utilizar a leitura de textos, textos esses, não necessariamente sobre matemática”, aconselhou Jorge Brandão.

Para o professor Ronaldo Garcia, coordenador do Mestrado Profissionalizante em Matemática da Ufersa, a matemática deve ser encarada como mais uma ferramenta para a aquisição do conhecimento, e não como um fim. O professor alertou para a necessidade dos professores e alunos reconhecerem a matemática como uma ciência interdisciplinar. O 1º Seminário Interdisciplinar em Matemática prosseguirá até essa sexta-feira, 04, com palestras, mesas redondas e oficinas.

A própria divulgação oficial da Ufersa não deixa dúvidas sobre o proposto no Seminário Interdisciplinar de Matemática. A manchete da divulgação é "Matemática: nem tudo são números". Mesclar a matemática com outros conhecimentos, como o literário, é interessante, mas sem que isso venha a tirar o protagonismo fundamental e absolutamente necessário dos números na disciplina.

Compreende-se até o objetivo do seminário de tornar a matemática atraente para os jovens estudantes da própria Ufersa, de outras instituições de ensino superior, e do Ensino Médio. Contudo, esse esforço passa necessariamente por uma abordagem mais atraente da utilização dos próprios números.

Até porque não dá para se entender a matemática sem os números, nem muito menos a vida, afinal de contas eles estão nas coisas simples do dia-a-dia como, por exemplo, na medição do tempo (hora, minuto, segundo, etc.) e do espaço (metro, quilômetro, etc.).

Nenhum comentário:

Postar um comentário