sábado, 7 de fevereiro de 2015

Educação do RN faz anúncio sóbrio do reajuste dos professores

A matéria governamental anunciando o reajuste salarial para os professores da rede estadual do RN deve ser vista também pela ótica do que as palavras indicam. 

Na matéria governamental, publicada na quarta-feira (4), não existem palavras como "aumento" e "concessão". Essas palavras dão lugar a outras bem mais equilibradas que apontam para uma condução de gestão mais voltada para os princípios de respeito à cidadania e de real valorização do profissional.

Sai de cena o burocratismo farofeiro, que  perdurou por quatro anos no governo do RN, que não se constrangia em alardear que a obrigação de pagar o piso salarial do magistério era "aumento" concedido pela "boa vontade" de gestores. 

A matéria governamental do anúncio do reajuste salarial de 13,01% deixa claro que a decisão atende à "obrigação, de abrangência nacional, através da lei federal nº 11.378, que valoriza os profissionais docentes e os especialistas em educação".

A própria decisão de anunciar o reajuste já é demonstrativo de valorização profissional dos educadores. Dizer que "reajuste" é "aumento", como o governo anterior se viciou em fazer, já embute uma arrogância que, ao invés de valorizar, deprecia uma categoria. 

As  palavras do titular da Educação do RN, Francisco das Chagas Fernandes, também apontam para uma postura cidadã e distante da fanfarronice: “A decisão (do reajuste) é muito importante porque o Governo está cumprindo um encaminhamento de valorização dos profissionais, garantindo assim um dos aspectos importantes para os servidores que é a questão salarial”.

Nenhum comentário:

Postar um comentário