Pular para o conteúdo principal

Educação do RN: Oficinas da Escola Edgar Barbosa mobilizam estudantes para a atividade científica

Professores e alunos empenhados na Ciência
Uma oficina de estudos científicos que trabalha na construção de placa geradora de energia solar e outra que busca transformar óleo de cozinha já utilizado em detergente líquido e sabão em barra. A essas duas se soma a oficina de Língua Inglesa, que estuda um dos idiomas mais procurados do mundo envolvendo literatura, música, seminários e vídeos. Estes são exemplos que podem muito bem apontar para atividades de nível superior, mas acontecem no cotidiano de uma das mais completas escolas de Ensino Médio de Natal – a Escola Estadual Edgar Barbosa, localizada no bairro de Lagoa Nova.

São também parte de um conjunto de oficinas do projeto Ensino Médio Inovador. Oficinas voltadas para várias áreas do conhecimento que representam um grande diferencial na Educação do Rio Grande do Norte oferecendo ao estudante a oportunidade do aprofundamento e de realização em projetos de Física, Matemática, Educação Física, Qualidade de Vida, Química, Leitura e Produção de Texto, Língua Estrangeira.

Oficinas que dão a oportunidade de estudantes e professores atuarem em projetos científicos com desdobramentos na vida real das pessoas, e que tratam as áreas do conhecimento de maneira atraente envolvendo atividades e experimentos práticos.

Professor Alessandro Souza
(fotos: Danilo Bezerra)
Atividades que mobilizam alunos e que fazem com que ex-alunos procurem a Escola para permanecerem participando das oficinas oferecidas. O processo de ensino/aprendizagem implantado na Escola Estadual Edgar Barbosa, dentro do projeto Ensino Médio Inovador, apresenta a Educação e a aquisição do conhecimento como algo prazeroso e sempre motivador.

As oficinas são oferecidas pelos professores levando em consideração suas disciplinas, em horários fora do período normal de aulas – em um sexto horário ou no contraturno. Dos 37 professores da Escola Edgar Barbosa, 17 estão envolvidos no Ensino Médio Inovador. As oficinas envolvem alunos do 1º ao 3º ano do Ensino Médio e devem ter no mínimo 30 componentes, várias delas ultrapassam as 40 inscrições, e algumas alcançam a marca de 100 participantes.
A oficina de Física está inscrevendo estudantes, no momento está com 40 participantes, e a expectativa pela procura é grande. Oferecida pelo professor Alessandro Souza, a oficina vai construir uma placa solar (aquecedor solar). Serão utilizados materiais como forro de PVC, canos, caixa térmica, caixa de plástico não térmica, cola, etc. “Nossa expectativa é boa. Os alunos têm ansiedade em adquirir o conhecimento científico, mais ainda aprendendo na prática”, diz Alessandro Souza.

Recorde no número de alunos inscritos, a oficina de Química tem 140 participantes inscritos e, segundo a coordenadora pedagógica Ana Cristina Santos, o professor responsável, Renato Dantas Ribeiro, irá necessitar de ajuda em sua condução. O recorde de inscritos evidencia o interesse que a atividade científica relacionada com a vida prática desperta no estudante. A oficina de Química vai transformar o óleo de cozinha utilizado em detergente líquido e sabão em pó.

O projeto da oficina de Inglês, lançado pelo professor Marcos Antonio Araújo, também desperta grande interesse nos estudantes. O projeto Inglês e Meio Ambiente vai tratar do ensino do idioma dentro de uma perspectiva de levar os estudantes a uma tomada de consciência sobre a necessidade da preservação ambiental. “Os alunos se conscientizam sobre a preservação do meio ambiente e se apropriam do Inglês. Trabalhamos com passeios em áreas naturais ligadas ao meio ambiente, apresentação e discussão de vídeos, música e seminários”, ressalta Marcos Antonio.

As atividade do Ensino Médio Inovador na Escola Estadual Edgar Barbosa recebem um aporte de recursos anual do Ministério da Educação da ordem de R$ 70 mil. Isso acontece em duas parcelas de R$ 35 mil. O dinheiro é utilizado em todas as ações que envolvem os diferentes projetos desenvolvidos pelas oficinas.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

UFRN: Professora Selma Jerônimo recebe prêmio da Universidade de Iowa nos Estados Unidos

Trabalho de pesquisas desenvolvido pela professora Selma Jerônimo, da  Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN) na área de saúde pública, foi contemplado com o prêmio internacional Impact Award, concedido pela Universidade de Iowa, dos Estados Unidos. O prêmio é destinado à profissionais ou às instituições que colaboram com a Universidade de Iowa na construção de conhecimentos voltados para programas sociais que melhorem a vida das pessoas. Professora Selma Jerônimo A pesquisadora Selma Jerônimo, diretora do Instituto de Medicina Tropical da UFRN, é parceira da Universidade de Iowa desde o ano de 1996. Ela lembra a importância que está tendo o conhecimento gerado no próprio Instituto, na Escola Maternidade Januário Cicco, no Centro de Biologia da UFRN e no Departamento de Infectologia do Hospital Gizelda Trigueiro, para melhorar a vida das pessoas no Rio Grande do Norte. “A contribuição diária do IMT, MJEC, CB e do Departamento de Infectologia do HGT quebra o cic

Moacir de Lucena: o semeador de escolas

Moacir de Lucena e família em solenidade da UFRN (outubro de 2003) Matéria publicada na edição de novembro da Revista Foco English version Professor, tipógrafo, juiz, advogado, músico, jornaleiro, poeta, normalista, chefe escoteiro, esportista, animador cultural, educador itinerante.  Em sua trajetória de 100 anos de vida pelo Rio Grande do Norte, o oestano filho de Martins, Moacir de Lucena, procurou ser, acima de tudo, um servidor na luta pelo progresso social das pessoas. Desde cedo entendeu que esse progresso social só chegaria pela via da Educação.  Neste campo, de forma inovadora criou um método próprio de alfabetização com resultados concretos junto aos estudantes. Método que depois foi empregado com estardalhaço por Paulo Freire. Mas, Moacir de Lucena chegou antes, sem estardalhaço, sem propaganda, mas com a luminosidade das coisas feitas e da transformação extraordinária do analfabeto em alfabetizado. Entre as tentativas de definir Moacir de Lucena, seu filho L

7º SEL: UFRN prepara grande evento de Educação e Leitura para novembro

Reunião com a reitora sobre o 7º  SEL Matéria atualizada às 12h30 desta quinta-feira (2) Estão adiantados os preparativos para o 7º Seminário Educação e Leitura da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), um dos maiores eventos no gênero no país. O 7º Seminário Educação e Leitura (SEL) acontece de 11 a 14 de novembro no Centro de Convenções do Praiamar Natal Hotel, em Ponta Negra, e deverá reunir mais de 1.000 participantes de todas as regiões do Rio Grande do Norte e de várias partes do Brasil. Em reunião ocorrida na manhã desta quinta-feira (2) a reitora da UFRN, Ângela Paiva garantiu total apoio ao evento. Participaram da reunião no gabinete da reitoria, a professora Marly Amarilha, a diretora do Centro de Educação da UFRN, Márcia Gurgel, e a professora Ângela Naschold, da equipe de organização do Seminário. As inscrições estão abertas a partir desta quarta-feira (01) para ouvintes e para apresentação de trabalho ou oferta de minicurso.  Equipe do Se