Pular para o conteúdo principal

Macau que não existe mais...

Por Tadeu Oliveira

A casa onde eu morava não existe mais, só há um pouco de lembrança e algum resto de esperança de um lugar que faz parte de Macau, região salineira do Rio Grande do Norte.

Minha casa ficava antes da “Rua da Frente”, rua sem nome, antes de qualquer sinalização urbana, que funcionava como ponto de apoio de quem partia ou chegava à cidade.

Era um lugar de apoio para alguns sem tetos, sem destinos, que aos pouco, com permissão sei lá de quem, se encontravam e se abrigavam por lá.

Foto mostra a usina na entrada da cidade
Eu vivia junto de mais sete famílias, dentro de uma antiga usina sem divisórias, muros e privacidade. Um recanto distante de escola, mas, no qual, existia possibilidade de aprendizagem, trabalho e expectativa por melhorias.

Dos tapumes das janelas de minha casa, olhava o horizonte do encontro do rio com o mar, sem maldade e agressão a natureza.

Admirava as grandes embarcações que conduziam sal ao porto e gostava da euforia dos pescadores em pequenos barcos que navegavam entre o rio e o mar.

Minha casa não contava com porta na frente nem aos fundos. Ao lado, carros velhos enferrujados reportavam um passado empreendedor, gerador de emprego, que ao longo do tempo ficou pra trás, não existe mais.

Para chegar aos fundos da casa, eu tinha que pular resto de embarcações para ter acesso ao quintal. Quintal sem plantações, sem flores e sem brinquedos infantis, mas com bastante vento, espumas de sal e recanto de esconde-esconde.

Para chegar ao banheiro de minha casa, caminhava num improvisado trapiche em direção a beira do rio. O banheiro era feito de tábuas lascadas e brechas de todos os lados.

O belo do banheiro com vistas para o mar era que as brechas das tábuas propiciavam a oportunidade de admirar a boca da barra em dia de maré alta e noite de lua cheia.

Recordo que não sabia definir bem a diferença entre sal e a malacacheta, e que tinha que percorrer alguns quilômetros do centro da cidade para chegar a minha casa. Nunca esqueci que minha sandália tipo “japonesa” de tiras vermelhas era abotoada com um prego. Toda vez que pisava no sal ou na malacacheta havia atrito e o prego despregava, e meus pés iam ao chão e sangravam... No meio do branco do sal corria o vermelho do sangue e o choro de uma criança nada feliz numa infância que buscava atalhos para o adulto.

Comentários

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

UFRN: Professora Selma Jerônimo recebe prêmio da Universidade de Iowa nos Estados Unidos

Trabalho de pesquisas desenvolvido pela professora Selma Jerônimo, da  Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN) na área de saúde pública, foi contemplado com o prêmio internacional Impact Award, concedido pela Universidade de Iowa, dos Estados Unidos. O prêmio é destinado à profissionais ou às instituições que colaboram com a Universidade de Iowa na construção de conhecimentos voltados para programas sociais que melhorem a vida das pessoas. Professora Selma Jerônimo A pesquisadora Selma Jerônimo, diretora do Instituto de Medicina Tropical da UFRN, é parceira da Universidade de Iowa desde o ano de 1996. Ela lembra a importância que está tendo o conhecimento gerado no próprio Instituto, na Escola Maternidade Januário Cicco, no Centro de Biologia da UFRN e no Departamento de Infectologia do Hospital Gizelda Trigueiro, para melhorar a vida das pessoas no Rio Grande do Norte. “A contribuição diária do IMT, MJEC, CB e do Departamento de Infectologia do HGT quebra o cic

Moacir de Lucena: o semeador de escolas

Moacir de Lucena e família em solenidade da UFRN (outubro de 2003) Matéria publicada na edição de novembro da Revista Foco English version Professor, tipógrafo, juiz, advogado, músico, jornaleiro, poeta, normalista, chefe escoteiro, esportista, animador cultural, educador itinerante.  Em sua trajetória de 100 anos de vida pelo Rio Grande do Norte, o oestano filho de Martins, Moacir de Lucena, procurou ser, acima de tudo, um servidor na luta pelo progresso social das pessoas. Desde cedo entendeu que esse progresso social só chegaria pela via da Educação.  Neste campo, de forma inovadora criou um método próprio de alfabetização com resultados concretos junto aos estudantes. Método que depois foi empregado com estardalhaço por Paulo Freire. Mas, Moacir de Lucena chegou antes, sem estardalhaço, sem propaganda, mas com a luminosidade das coisas feitas e da transformação extraordinária do analfabeto em alfabetizado. Entre as tentativas de definir Moacir de Lucena, seu filho L

7º SEL: UFRN prepara grande evento de Educação e Leitura para novembro

Reunião com a reitora sobre o 7º  SEL Matéria atualizada às 12h30 desta quinta-feira (2) Estão adiantados os preparativos para o 7º Seminário Educação e Leitura da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), um dos maiores eventos no gênero no país. O 7º Seminário Educação e Leitura (SEL) acontece de 11 a 14 de novembro no Centro de Convenções do Praiamar Natal Hotel, em Ponta Negra, e deverá reunir mais de 1.000 participantes de todas as regiões do Rio Grande do Norte e de várias partes do Brasil. Em reunião ocorrida na manhã desta quinta-feira (2) a reitora da UFRN, Ângela Paiva garantiu total apoio ao evento. Participaram da reunião no gabinete da reitoria, a professora Marly Amarilha, a diretora do Centro de Educação da UFRN, Márcia Gurgel, e a professora Ângela Naschold, da equipe de organização do Seminário. As inscrições estão abertas a partir desta quarta-feira (01) para ouvintes e para apresentação de trabalho ou oferta de minicurso.  Equipe do Se