segunda-feira, 19 de dezembro de 2016

Brejinho: Escola estadual coloca a poesia no saco de pão nas manhãs da comunidade

Brejinho e a grandeza da poesia das crianças
Por Jorge Ivan Barbosa

A valorização da poesia como fator de crescimento intelectual e concreta possibilidade para aquisição de conhecimentos representa importante indicativo de uma educação voltada para o desenvolvimento humano. É pela vida da poesia que se estimula a criatividade e a capacidade de externar o que se observa, o que se pensa e o que se projeta sobre a realidade e o mundo em que se vive.

Investindo em uma educação que contemple o estímulo à poesia,a Escola Estadual Maria Augusto de Trindade, localizada na cidade de Brejinho, região Agreste do RN, tem despertado o gosto pela criatividade e pela escrita nos alunos, e mobilizado consumidores e o próprio comércio local.

Os alunos do 4º e do 5º ano do Ensino Fundamental estão elaborando poemas sobre os mais variados assuntos de suas realidades e da vida na comunidade, e cópias desses poemas são inseridas em sacos de pão pelas padarias da cidade. Com isso,a população tem a condição de tomar café lendo os poemas escritos pelos alunos.

A novidade, que tem surpreendido e agradado a comunidade, faz aumentar a procura pelos sacos de pão que contenhamos poemas, e também contribuído para a valorização da educação pública no município.

A parceria firmada com as padarias divulga as atividades elaboradas pelos alunos em sala de aula na disciplina de Língua Portuguesa, integrante do PIP (Programa de Inovação Pedagógica), que faz parte do Projeto RN Sustentável, do Governo do Estado, com recursos do Banco Mundial.

O PIP tem o objetivo de minimizar os problemas de aprendizagem enfrentados pelas escolas, contribuindo para a melhoria e fortalecimento da participação dos professores e alunos.

A Escola Estadual professora Maria Augusta Trindade, localizada na avenida Antônio Alves Pessoa , no centro de Brejinho, atende alunos das séries do ensino fundamental nos anos iniciais.

domingo, 18 de dezembro de 2016

A terra de Macau: Diogo Lopes, melhor lugar para viver

Por  Tadeu Oliveira

Eu morei no distrito de Diogo Lopes, município de Macau. Fui para lá por causa de suspeita de Coqueluche, uma doença respiratória que atacou crianças na década 60 na região salineira. Virou epidemia em Macau, as crianças eram imunizadas e saiam da cidade em busca de um ambiente mais sadio.

Segundo os especialistas, Coqueluche é uma moléstia infectocontagiosa aguda do trato respiratório transmitida pela bactéria Bordetella pertussis. O contágio se dá pelo contato direto com a pessoa infectada ou por gotículas eliminadas pelo doente ao tossir, espirrar ou falar. A infecção pode ocorrer em qualquer época do ano e em qualquer fase da vida, mas acomete especialmente às crianças menores de dois anos.

Diogo Lopes (Foto Getúlio Moura)
Eu estava com essa idade. Medicado por “Doutor Nagib” e orientado pela a eficiência do enfermeiro “João Neblina”, minha família foi obrigada a se mudar de ambiente, sair do setor urbano Macau para uma área tropical. Esse lugar, ideal para curar a doença, estava bem perto da quente Macau, a praia de Diogo Lopes, logo após a Praia de Barreiras.

Em Diogo Lopes, seguindo a orientação medicinal de João Neblina, eu tive que tomar diariamente, pela manhã e à noite, uma colher de lambedor feito da planta “Coroa de Frade”, não havia outra indicação de remédio.

O fruto da Coroa de Frade, um cacto de formato arredondado cheio de espinhos, se podia encontrar em uma área preservada de dunas nas proximidades. Eu mesmo ia buscar, antes as 6 horas da manhã, correndo na areia fria.

Na realidade, em Diogo Lopes fiquei curado mesmo foi pelo que a praia oferecia, sempre à minha disposição, sempre presente com o ar medicinal e puro.

Siri, caranguejo, aratu, lagosta e espécies de peixes como o avoador e carapeba faziam parte do meu cotidiano, tanto pelas manhãs como nos finais de tarde. O sol era o melhor alimento e a lua um acalento, eu dormia sem reclamar da gripe.

O Rio Grande do Norte precisa conhecer Diogo Lopes, chegar próximo dos seus segredos e mistérios. É lugar pra se ir e manter intimidade com a natureza, se não é chover no molhado.

domingo, 4 de dezembro de 2016

Natal: Aluno de escola estadual das Rocas representa RN em competição sul-americana de Luta Livre

Atleta vira referência na comunidade
Pauta Jorge Ivan Barbosa e Thalita Freitas

A dura realidade de um cotidiano de lutas por espaços e por um lugar ao sol em um bairro periférico de Natal, e a natural inquietação crítica típica da adolescência, estabeleciam para o jovem Matheus Lima dos Santos Belo, 15 anos, indicativos difíceis de serem superados. Morador do bairro das Rocas e estudante da tradicional Escola Estadual Café Filho, localizada em sua comunidade, Matheus conseguiu superar as adversidades naturais de seu contexto por meio do desporto escolar, da interação que o esporte vem permanentemente provando que é capaz de propiciar.

Matheus Lima, já destaque e referência em sua modalidade, vai representar agora no mês de dezembro, período de 10 a 18, o Rio Grande do Norte no Sul-Americano Escolar de Luta Livre, que acontece na cidade de Buenos Aires, Argentina. Matheus estará na competição de mais alto nível do desporto escolar da América do Sul, que reúne atletas de alto rendimento de vários países na faixa etária de 14 e 15 anos.

Colhe agora os frutos de uma opção de vida que privilegiou a Escola e o Esporte, e que o colocou dentro do treinamento das modalidades de luta, já aos 12 anos de idade, na época no Judô. O aluno considerado “brigão” por professores e pessoas da comunidade, trocava o esforço por um protagonismo inconsequente pelo aprendizado dos livros e das modalidades olímpicas de lutas.

Aos 14 anos, Matheus trocou o Judô pela Luta Olímpica, iniciando uma trajetória de conquistas que lhe renderam 04 medalhas em nível nacional, e 02 medalhas internacionais. Somam-se a esse grande desempenho, as seguidas vitórias em campeonatos locais. Este ano, por exemplo, Matheus foi tricampeão dos Jogos Escolares do Rio Grande do Norte (Jerns).

O agora aluno responsável tem se tornado uma referência dentro de sua família e na comunidade. Na casa onde mora com a avó e seus 3 (três) irmãos, o mais novo já segue seu exemplo como um desportista do Atletismo.

Para Matheus o maior aprendizado que o esporte lhe trouxe está ligado a disciplina e o senso de justiça. Aprendizado que agora procura aplicar em sua vida, seja na escola, junto a sua família ou na comunidade.

O treinador Fernando Antônio (36), diz que sua maior alegria é poder acompanhar as mudanças dos jovens atletas que iniciam uma nova etapa de vida e projetam seus futuros a partir do esporte. A Luta Olímpica, uma modalidade que caiu no gosto de diversas comunidades no Rio Grande do Norte, conta com a participação de 30 alunos/atletas da Escola Estadual Café Filho, entre iniciantes e competidores.