Pular para o conteúdo principal

A terra de Macau: Diogo Lopes, melhor lugar para viver

Por  Tadeu Oliveira

Eu morei no distrito de Diogo Lopes, município de Macau. Fui para lá por causa de suspeita de Coqueluche, uma doença respiratória que atacou crianças na década 60 na região salineira. Virou epidemia em Macau, as crianças eram imunizadas e saiam da cidade em busca de um ambiente mais sadio.

Segundo os especialistas, Coqueluche é uma moléstia infectocontagiosa aguda do trato respiratório transmitida pela bactéria Bordetella pertussis. O contágio se dá pelo contato direto com a pessoa infectada ou por gotículas eliminadas pelo doente ao tossir, espirrar ou falar. A infecção pode ocorrer em qualquer época do ano e em qualquer fase da vida, mas acomete especialmente às crianças menores de dois anos.

Diogo Lopes (Foto Getúlio Moura)
Eu estava com essa idade. Medicado por “Doutor Nagib” e orientado pela a eficiência do enfermeiro “João Neblina”, minha família foi obrigada a se mudar de ambiente, sair do setor urbano Macau para uma área tropical. Esse lugar, ideal para curar a doença, estava bem perto da quente Macau, a praia de Diogo Lopes, logo após a Praia de Barreiras.

Em Diogo Lopes, seguindo a orientação medicinal de João Neblina, eu tive que tomar diariamente, pela manhã e à noite, uma colher de lambedor feito da planta “Coroa de Frade”, não havia outra indicação de remédio.

O fruto da Coroa de Frade, um cacto de formato arredondado cheio de espinhos, se podia encontrar em uma área preservada de dunas nas proximidades. Eu mesmo ia buscar, antes as 6 horas da manhã, correndo na areia fria.

Na realidade, em Diogo Lopes fiquei curado mesmo foi pelo que a praia oferecia, sempre à minha disposição, sempre presente com o ar medicinal e puro.

Siri, caranguejo, aratu, lagosta e espécies de peixes como o avoador e carapeba faziam parte do meu cotidiano, tanto pelas manhãs como nos finais de tarde. O sol era o melhor alimento e a lua um acalento, eu dormia sem reclamar da gripe.

O Rio Grande do Norte precisa conhecer Diogo Lopes, chegar próximo dos seus segredos e mistérios. É lugar pra se ir e manter intimidade com a natureza, se não é chover no molhado.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

UFRN: Professora Selma Jerônimo recebe prêmio da Universidade de Iowa nos Estados Unidos

Trabalho de pesquisas desenvolvido pela professora Selma Jerônimo, da  Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN) na área de saúde pública, foi contemplado com o prêmio internacional Impact Award, concedido pela Universidade de Iowa, dos Estados Unidos. O prêmio é destinado à profissionais ou às instituições que colaboram com a Universidade de Iowa na construção de conhecimentos voltados para programas sociais que melhorem a vida das pessoas. Professora Selma Jerônimo A pesquisadora Selma Jerônimo, diretora do Instituto de Medicina Tropical da UFRN, é parceira da Universidade de Iowa desde o ano de 1996. Ela lembra a importância que está tendo o conhecimento gerado no próprio Instituto, na Escola Maternidade Januário Cicco, no Centro de Biologia da UFRN e no Departamento de Infectologia do Hospital Gizelda Trigueiro, para melhorar a vida das pessoas no Rio Grande do Norte. “A contribuição diária do IMT, MJEC, CB e do Departamento de Infectologia do HGT quebra o cic

Moacir de Lucena: o semeador de escolas

Moacir de Lucena e família em solenidade da UFRN (outubro de 2003) Matéria publicada na edição de novembro da Revista Foco English version Professor, tipógrafo, juiz, advogado, músico, jornaleiro, poeta, normalista, chefe escoteiro, esportista, animador cultural, educador itinerante.  Em sua trajetória de 100 anos de vida pelo Rio Grande do Norte, o oestano filho de Martins, Moacir de Lucena, procurou ser, acima de tudo, um servidor na luta pelo progresso social das pessoas. Desde cedo entendeu que esse progresso social só chegaria pela via da Educação.  Neste campo, de forma inovadora criou um método próprio de alfabetização com resultados concretos junto aos estudantes. Método que depois foi empregado com estardalhaço por Paulo Freire. Mas, Moacir de Lucena chegou antes, sem estardalhaço, sem propaganda, mas com a luminosidade das coisas feitas e da transformação extraordinária do analfabeto em alfabetizado. Entre as tentativas de definir Moacir de Lucena, seu filho L

7º SEL: UFRN prepara grande evento de Educação e Leitura para novembro

Reunião com a reitora sobre o 7º  SEL Matéria atualizada às 12h30 desta quinta-feira (2) Estão adiantados os preparativos para o 7º Seminário Educação e Leitura da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), um dos maiores eventos no gênero no país. O 7º Seminário Educação e Leitura (SEL) acontece de 11 a 14 de novembro no Centro de Convenções do Praiamar Natal Hotel, em Ponta Negra, e deverá reunir mais de 1.000 participantes de todas as regiões do Rio Grande do Norte e de várias partes do Brasil. Em reunião ocorrida na manhã desta quinta-feira (2) a reitora da UFRN, Ângela Paiva garantiu total apoio ao evento. Participaram da reunião no gabinete da reitoria, a professora Marly Amarilha, a diretora do Centro de Educação da UFRN, Márcia Gurgel, e a professora Ângela Naschold, da equipe de organização do Seminário. As inscrições estão abertas a partir desta quarta-feira (01) para ouvintes e para apresentação de trabalho ou oferta de minicurso.  Equipe do Se