Pular para o conteúdo principal

Intolerância: Professor da UFRN proíbe estudante de assistir à aula

A estudante discriminada e o professor Alípio
Repercute em todo o país o fato ocorrido em sala de aula do setor II da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), na aula do curso de Ciências Sociais, na noite da terça-feira (6). O profesor Alípio Sousa Filho, mestre e doutor em Ciências Sociais pela Universidade de Paris René Descartes, proibiu a estudante Waleska Maria Lopes de assistir à sua aula porque ela se fazia acompanhar de sua filha de cinco anos de idade. Segundo o veterano doutor, a criança trazia prejuízo a sua aula tirando o foco da própria Waleska e de outros estudantes.

Com o acontecido, o próprio curso de Ciências Sociais se encontra diante de um veemente contraditório, já que ele advoga o discurso de inclusivo. A estudante, proibida de assistir à aula da disciplina "Introdução à Sociologia" do mestre Alípio Sousa, relatou ter se sentido humilhada diante dos demais alunos. "Me senti muito mal. Minha filha perguntou se não podia assistir às minhas aulas. Se era por causa dela. É uma grande humilhação. A única família dela sou eu. Ela só tem a mim. Foi terrível", afirmou em entrevista ao site G1.

A estudante Waleska disse que o doutor em Ciências Sociais, Alípio Sousa, mandou que ela se retirasse da sala de aula lembrando de que não poderia mais assistir às suas aulas com a criança. Waleska Maria Lopes é natural do Rio de Janeiro e veio para o Rio Grande do Norte, município de Pau dos Ferros, no ano de 2008. No ano passado se mudou para Natal e, disposta a continuar nos estudos, fez o ENEM e conseguiu entrar para o curso de Ciências Sociais na UFRN. Trabalha durante o dia como atendente de telemarketing e deixa a filha numa escola nesse período. Divide o imóvel no qual mora com outras pessoas e cria a filha sozinha.

O que tem tudo para ser uma história de superação esbarrou na noite da terça-feira (6) em uma sala de aula de Sociologia da UFRN, tendo diante de si um professor despreparado para a situação que lhe exigia uma postura prudente e eficaz no ponto de vista do processo de ensino/aprendizagem, tanto para si, como para Waleska, para a criança lamentavelmente envolvida, como para os demais estudantes em sala de aula.

O doutor pela Universidade de Paris René Descartes (referência ao grande filósofo fundamental para a instauração do período da Modernidade), Alípio Sousa Filho, reconhece que proibiu a estudante de voltar para sua aula acompanhada da filha. "Uma criança de cinco anos, todo mundo sabe, é uma criança que fica inquieta. E a aluna tem que se ocupar com a filha. Se ocupa, porque fica vendo a criança levantar, a criança sentar. E, portanto, a criança fica chamando a atenção da aluna, o que faz com que ela não esteja atenta à aula. Além disso, chama a atenção dos demais alunos", se defendeu.

A fala grotesca

O discurso do doutor em Sociologia, Alípio Sousa, para a estudante na frente dos demais alunos foi gravado e mostra certa soberba do profissional de sala de aula. "Encontre uma rede de solidariedes para cuidar da criança. Não consegue essa rede de solidariedade? Repense sua vida. Não tem que estar fazendo Ciências Sociais, não tem que estar estudando na universidade. Você só faz isso se tiver condições. Agora não vai impor à instituição coisas que não são assimiladas pela instituição (...) 'ah, eu sou pobre, não tenho'. Problema seu, a universidade não tem problema com isso, se vire", afirmou com veemência o Alípio.

O "se vire" fala muito do elemento Alípio Sousa Filho, possivelmente ele passe daqui pra frente a ser lembrado pelo "se vire". Esse é o ponto de inflexão no qual o discurso não condiz com a prática, no qual estudar em grandes e famosas universidade não significa nada, mas apenas meio de ampliar a periculosidade do sujeito. O "se vire" é um argumento pernicioso e boçal que impõe distanciamento e diferenças.

Em fala, distribuída pelos alunos, Alipio Sousa Filho também se regozija de sua condição de professor universitário detentor de alto salário (bancado pelo contribuinte) para os padrões do Rio Grande do Norte. ''A palavra aqui é estudar, discutir comigo as ideias, aprender comigo. Vocês estão em uma universidade pública, não pagam um centavo para estar aqui. Vocês têm professores com salários caríssimos, meu salário é de R$ 20 mil. Um professor que entra agora ganha R$ 10 mil. Ar condicionado, WIFI, luz, restaurante, biblioteca. Vocês são caros. Aí você vem desenhar na universidade, na sala de aula, e achar que, como aluno, pode impor o modo de ser das coisas? Na sala de outro! Na minha não'', afirmou.

O discurso esnobe de Alípio também coloca em xeque a Universidade Federal do Rio Grande do Norte, já que pode se tratar de uma visão compartilhada por outros professores. A UFRN, é bom que se diga, não é de Alípio (que é um simples empregado do povo como todos os outros professores que ali se encontram), não é pertencente com exclusividade a nenhum professor, e até que se prove o contrário (desafio que Alípio devia enfrentar), é uma propriedade do povo brasileiro localizada no Rio Grande do Norte.   

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

UFRN: Professora Selma Jerônimo recebe prêmio da Universidade de Iowa nos Estados Unidos

Trabalho de pesquisas desenvolvido pela professora Selma Jerônimo, da  Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN) na área de saúde pública, foi contemplado com o prêmio internacional Impact Award, concedido pela Universidade de Iowa, dos Estados Unidos. O prêmio é destinado à profissionais ou às instituições que colaboram com a Universidade de Iowa na construção de conhecimentos voltados para programas sociais que melhorem a vida das pessoas. Professora Selma Jerônimo A pesquisadora Selma Jerônimo, diretora do Instituto de Medicina Tropical da UFRN, é parceira da Universidade de Iowa desde o ano de 1996. Ela lembra a importância que está tendo o conhecimento gerado no próprio Instituto, na Escola Maternidade Januário Cicco, no Centro de Biologia da UFRN e no Departamento de Infectologia do Hospital Gizelda Trigueiro, para melhorar a vida das pessoas no Rio Grande do Norte. “A contribuição diária do IMT, MJEC, CB e do Departamento de Infectologia do HGT quebra o cic

Moacir de Lucena: o semeador de escolas

Moacir de Lucena e família em solenidade da UFRN (outubro de 2003) Matéria publicada na edição de novembro da Revista Foco English version Professor, tipógrafo, juiz, advogado, músico, jornaleiro, poeta, normalista, chefe escoteiro, esportista, animador cultural, educador itinerante.  Em sua trajetória de 100 anos de vida pelo Rio Grande do Norte, o oestano filho de Martins, Moacir de Lucena, procurou ser, acima de tudo, um servidor na luta pelo progresso social das pessoas. Desde cedo entendeu que esse progresso social só chegaria pela via da Educação.  Neste campo, de forma inovadora criou um método próprio de alfabetização com resultados concretos junto aos estudantes. Método que depois foi empregado com estardalhaço por Paulo Freire. Mas, Moacir de Lucena chegou antes, sem estardalhaço, sem propaganda, mas com a luminosidade das coisas feitas e da transformação extraordinária do analfabeto em alfabetizado. Entre as tentativas de definir Moacir de Lucena, seu filho L

7º SEL: UFRN prepara grande evento de Educação e Leitura para novembro

Reunião com a reitora sobre o 7º  SEL Matéria atualizada às 12h30 desta quinta-feira (2) Estão adiantados os preparativos para o 7º Seminário Educação e Leitura da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), um dos maiores eventos no gênero no país. O 7º Seminário Educação e Leitura (SEL) acontece de 11 a 14 de novembro no Centro de Convenções do Praiamar Natal Hotel, em Ponta Negra, e deverá reunir mais de 1.000 participantes de todas as regiões do Rio Grande do Norte e de várias partes do Brasil. Em reunião ocorrida na manhã desta quinta-feira (2) a reitora da UFRN, Ângela Paiva garantiu total apoio ao evento. Participaram da reunião no gabinete da reitoria, a professora Marly Amarilha, a diretora do Centro de Educação da UFRN, Márcia Gurgel, e a professora Ângela Naschold, da equipe de organização do Seminário. As inscrições estão abertas a partir desta quarta-feira (01) para ouvintes e para apresentação de trabalho ou oferta de minicurso.  Equipe do Se